Segurança Social Emprego na economia social pesava mais que na indústria têxtil

Emprego na economia social pesava mais que na indústria têxtil

Dados de 2013 revelados pelo INE mostram que o peso do emprego remunerado na economia social era maior do que em sectores habitualmente classificados como sendo de trabalho intensivo.
Emprego na economia social pesava mais que na indústria têxtil
Marta Moitinho Oliveira 20 de Dezembro de 2016 às 12:56
O peso da economia social no total da economia manteve-se estável entre 2010 e 2013. Dados publicados esta terça-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) mostram que o emprego neste sector vale mais do que em sectores habitualmente classificados como sendo de trabalho intensivo.

"O peso do emprego remunerado da Economia Social no total da economia foi maior que em ramos de actividade tradicionalmente caracterizados pela utilização intensiva de trabalho, como, por exemplo, a indústria têxtil", escreve o INE na publicação com o título Conta Satélite da Economia Social (CSES) de 2013.

O emprego remunerado pesava 6% no emprego total em 2013 - o último ano para o qual há dados -, um acréscimo face ao valor de 5,5% de 2010. 

A comparação com outros sectores de actividade mostra que a construção era o sector onde o emprego mais pesava face à economia nacional. Em segundo lugar aparecia o sector da economia social, seguido da saúde (5,5%)  e apenas em quarto lugar surgia a indústria têxtil (5%).

O INE divulgou esta terça-feira a propósito do dia Internacional da Solidariedade Humana, a segunda edição da Conta Satélite da Economia Social, para 2013. Este diagnóstico é feito de três em três anos e os dados mais recentes ainda não reflectem a totalidade do período de ajustamento, que terminou em 2014. 

A conta satélite pretende fazer um retrato da economia social, na sequência da celebração de um protocolo de colaboração entre o INE e a CASES - Cooperativa António Sérgio. 
 
Segundo o INE, "em 2013, a Economia Social representou 2,7% da produção nacional e 2,8% do Valor Acrescentado Bruto (VAB) nacional, apresentando uma importância relativa igual à observada na edição da CSES 2010".

Fazem parte da Economia Social as cooperativas, as associações mutualistas, as misericórdias, as fundações, as associações com fins altruísticos e os subsectores comunitário e autogestionário.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub