Economia Emprego no Norte regista maior crescimento dos últimos 18 anos

Emprego no Norte regista maior crescimento dos últimos 18 anos

A região Norte assistiu, no primeiro trimestre deste ano, ao mais acentuado crescimento do emprego dos últimos 18 anos, pelo menos, tendo aumentado 4,2% em termos homólogos, conclui o relatório Norte Conjuntura, da Comissão de Coordenação da Região Norte (CCDRN).
Emprego no Norte regista maior crescimento dos últimos 18 anos
A região Norte terminou o primeiro trimestre deste ano com 70,1% da população entre os 20 e os 64 anos empregada, o melhor valor dos últimos oito anos.
Rui Neves 20 de junho de 2017 às 13:10

"Seguindo a tendência a nível nacional, a Região do Norte assistiu, no primeiro trimestre de 2017, à aceleração do crescimento do emprego, atingindo, em termos homólogos, a variação mais elevada de que há registo", ou seja, "desde há, pelo menos, 18 anos", sublinha o Norte Conjuntura, o relatório trimestral da Comissão de coordenação e Desenvolvimento da Região Norte (CCDRN), divulgado esta terça-feira, 20 de Junho.

 

A subida de 4,2% no emprego da região, em relação a um ano antes, equivale a mais cerca de 65 mil pessoas empregadas, depois de no trimestre anterior ter crescido 2,2%.

 

De acordo com o mesmo relatório, o crescimento da população empregada na região, entre o primeiro trimestre de 2016 e o deste ano, foi responsável por quase metade (45%) do aumento registado ao nível nacional.

 

A região Norte terminou o primeiro trimestre com 70,1% da população entre os 20 e os 64 anos empregada, "atingindo o valor mais elevado dos últimos oito anos".

 

A subida verificada foi sobretudo impulsionada pelo ramo de actividade dos transportes e armazenagem, com mais cerca de 16 mil pessoas empregadas do que um ano antes, o que representa um aumento homólogo de 37,4%, e pelas actividades de consultoria, científicas, técnicas e similares, com mais cerca de 14 mil empregados, o que traduz um crescimento de 24,1% face ao mesmo período do ano passado.

 

Seguem-se os sectores do alojamento, restauração e similares - mais 12 mil empregados (um aumento homólogo de 21,1%); da educação - mais 11 mil pessoas empregadas (subida de 9,6%); e ainda das actividades administrativas e dos serviços de apoio - mais 9 mil empregados (crescimento de 23,6%).



(Notícia actualizada às 13:24)




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 4 semanas

Claro.. o Norte que trabalhe para Lisboa ter as sedes da EDP, REN da TAP, da ANA, da Galp, dos escritórios de advogados a trabalhar para políticos, etc. E claro que os dados só poderiam resultar num PIB per capita superior em Lisboa. Ser empresário neste país e do Norte é do mais insuportável que há

Anónimo Há 4 semanas

Eh pá! Deixem lá o foguetório, e digam qual o salário médio que pagam a esses novos empregos criados no Norte!

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub