Emprego Emprego sobe e taxa de desemprego desce para 10,5%

Emprego sobe e taxa de desemprego desce para 10,5%

A taxa de desemprego desceu para 10,5% no terceiro trimestre, com mais empregos criados quer em termos homólogos quer face ao trimestre anterior, essencialmente nos serviços.
Emprego sobe e taxa de desemprego desce para 10,5%
Bruno simão
Catarina Almeida Pereira 09 de Novembro de 2016 às 11:06

A taxa de desemprego foi de 10,5% no terceiro trimestre deste ano, descendo 0,3 pontos percentuais face ao trimestre anterior e 1,4 pontos em relação ao trimestre homólogo, revelou esta quarta-feira, 9 de Novembro, o Instituto Nacional de Estatística (INE).


Trata-se novamente da taxa de desemprego mais baixa desde o início desta série, que começa em 2011.

Num trimestre em que a população activa aumentou, foram criados 59 mil empregos em cadeia, numa variação de 1,3%, "o que representa uma desaceleração face ao crescimento trimestral" que tinha sido registado antes, nota o INE.

Em termos homólogos, há agora mais 86 mil pessoas oficialmente empregadas, num crescimento de 1,9%, uma tendência que na comparação anual se tornou norma desde o final de 2013.

Este crescimento homólogo deve-se essencialmente à subida do emprego entre os homens, das pessoas de entre 45 e 64 nos, dos que têm o ensino superior, e dos trabalhadores por conta de outrem, especialmente com contrato de trabalho sem termo.

É sobretudo o sector dos serviços que explica a criação de emprego, quer em termos trimestrais quer em termos homólogos. As classificações "transportes e armazenagem e actividades de comunicação" e as actividades financeiras e de seguros registam taxas homólogas de dois dígitos.

Apesar de não serem directamente comparáveis com os dados mensais do emprego, até porque adoptam outra metodologia (não são ajustados de sazonalidade, por exemplo), estes valores relativos à taxa de desemprego – que são, de tradicionalmente, os dados oficiais – ficam abaixo dos que têm sido divulgados para as estatísticas mensais. Também estes apontavam no sentido da desaceleração

Desemprego de longa duração recua mas é maioritário

Depois de uma redução homóloga (-11,2%) e em cadeia (-1,8%), há agora 549,5 mil desempregados. Esta evolução também resultou da redução do desemprego de longa duração, que afecta no entanto quase dois terços do total de desempregados.

Explica que o INE que o número de pessoas à procura de emprego há doze ou mais meses também recuou 11,2% em termos homólogos. No entanto, estas pessoas ainda representam 63,2% do total de desempregados.






A sua opinião12
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Carlos Rodrigues Há 4 semanas

A limpar as listas dos desempregados que não recebem subsídio, assim é fácil em 6 meses mais de 120 mil, Costa é perigoso.

comentários mais recentes
Jorge Vieira Há 4 semanas

Há algo de errado... Crescimento Económico revisto em baixa para 0,9 % e o desemprego continua a baixar. Precisam-se de novas teorias Macroeconômicas urgentemente.

Manuel Silva Tomaz Neto Há 4 semanas

Aonde? ,com tudo a fechar,venham às terras ver as fabricas e oficinas tudo fechado.

Francisco Carvalho Há 4 semanas

EMPREGO É UMA COISA TRABALHO É OUTRA !! PENSE NAS DIFERENÇAS !!!

Anónimo Há 4 semanas

Oh, Débora!!!!
Para ti, quando os números são positivos, é porque são manipulados.
Nos anos anteriores não eram manipulados, agora é que são!!!
Tristeza de gente...
É só palas...

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub