Conjuntura Empresa tenta penhorar refeição de trabalhadora

Empresa tenta penhorar refeição de trabalhadora

"Quererá o agente de execução ir diariamente à instituição munido de uma marmita e retirar da boca da executada o seu alimento?", questionou a advogada, citada pelo Jornal de Notícias.
Empresa tenta penhorar refeição de trabalhadora
Correio da Manhã
Negócios 20 de dezembro de 2016 às 09:10
Uma empresa especializada na recuperação de créditos tentou penhorar a refeição de uma trabalhadora da Misericórdia de Aveiro, noticia hoje o Jornal de Notícias. No entanto, a instituição recusou cumprir a ordem.

O pedido diz respeito a uma dívida de 8.500 euros e era dirigido ao subsídio de alimentação, fosse ele pago em numerário ou em espécie. Era precisamente esse o caso desta funcionária, que comia no refeitório do lar de terceira idade onde trabalha. A instituição recusou cumprir a ordem e pediu esclarecimentos ao juiz titular do processo. 

Em declarações ao JN, a advogada da executada diz que esta tentativa de penhora é uma "afronta ao princípio da dignidade da pessoa humana, princípio constitucional". "Quererá o senhor agente de execução ir diariamente à instituição munido de uma marmita e retirar da boca da executada o seu alimento? A sopa, o pão, o arroz, as batatas, o naco de carne ou a posta de peixe?"

Nesse sentido, foi pedido que a penhora seja indeferido, pelo menos por razões humanitárias.



A sua opinião25
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado manuelfaf 20.12.2016

Boa tarde, olhe que há muita classe da nobreza no privado e muito povo no público. Não se esqueça que no privado tb há muitos enteados e "mamões" à custa do povo. No público há muitos que trabalham no duro e até arriscam a vida para nos salvar, morrem em incêndios ou atrás de criminosos. Nessa classe de Nobreza colocaria os primos e tios do nada fazer. A esses quem os paga é sempre o que trabalha, seja no público ou no privado.

comentários mais recentes
Nossa Senhora da Boavida 22.12.2016

Só falta saber como é que foi feita a divida e de que divida se trata. Está tudo a mandar "bosta". Se calhar a endividada até come de borla no lar onde está empregada, à conta da velharia que lá se encontra instalada.

Anónimo 22.12.2016

AQUI TEMOS A BARBÁRIE HUMANA NO SEU MELHOR. PIOR QUE BESTAS - SEM OFENSA PARA ESTAS - O PIOR DA ESPÉCIE HUMANA ESTÁ AQUI RESUMIDO. QUANDO NADA BATE O CORAÇÃO DOS HOMENS EM QUE SÓ O MALDITO EQUILÍBRIO DAS MALDITAS CONTAS CONTA, NÃO NOS PODEMOS QEIXAR. TEMOS O QUE MERECEMOS.

bazanga 21.12.2016

Mr.Tuga: que vergonha de comentário.

Observador 21.12.2016

Tentaram tirar-lhe a comida para dar tudo aos cães. Podiam penhorar o vestuário e deixá-la em cuecas. Era mais honesto.

ver mais comentários
pub