Angola Empresário Sindika Dokolo envia 200 toneladas de apoio a refugiados no leste de Angola

Empresário Sindika Dokolo envia 200 toneladas de apoio a refugiados no leste de Angola

O empresário e coleccionador de arte Sindika Dokolo, marido da angolana Isabel dos Santos, anunciou hoje a entrega de 200 toneladas de arroz, óleo e farinha aos refugiados da República Democrática do Congo que fugiram para o leste de Angola.
Empresário Sindika Dokolo envia 200 toneladas de apoio a refugiados no leste de Angola
Miguel Baltazar
Lusa 31 de maio de 2017 às 12:13
A doação foi feita através da Fundação Sindika Dokolo, que o empresário de nacionalidade congolesa criou em Luanda, destinada à recuperação e preservação da arte africana.

"Estou chocado e amargurado de ver a barbárie que alguns dos refugiados provenientes do Congo [República Democrática do Congo, RDCongo] sofreram. Sendo congolês e tendo crescido no Congo, não suporto ver a degradação das nossas populações e o jogo mórbida dos políticos de Kinshasa", escreveu o empresário, casado com a filha do chefe de Estado angolano, José Eduardo dos Santos.

As autoridades estimam que mais de 25.000 refugiados da RDCongo tenham fugido desde Abril para a Lunda Norte, no leste de Angola, para escapar aos violentos conflitos étnico-políticos na região do Kasai.

A doação é descrita pelo empresário Sindika Dokolo como uma "gota de água no oceano das necessidades", mas também como um "gesto de fraternidade e solidariedade" para com os "irmãos, irmãs e filhos da RDCongo".

Só o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) está a prestar assistência a 9.000 crianças refugiadas da RDCongo, 200 das quais chegaram sozinhas a território angolano e a necessitar de ajuda urgente, fugindo das acções das milícias congolesas.

Um comunicado daquela organização, de segunda-feira, refere que as 9.000 crianças estão distribuídas por dois centros de acolhimento temporários no Dundo, capital da província angolana da Lunda Norte.

Com o apoio das autoridades provinciais e outros parceiros, aquela agência das Nações Unidas refere que tem prestado ajuda a essas crianças e respectivas famílias, que estão a chegar aos centros depois de dias ou semanas a viajar a pé, feridas por balas ou catanas, e a testemunharem "ataques violentos".

As acções da organização estão viradas para a garantia de serviços de saúde, água e saneamento, a vacinação das crianças contra o sarampo, medida "crucial para reduzir o risco de surtos".

Além destas acções, a UNICEF está a treinar assistentes sociais para proceder ao registo de 200 crianças, que se encontram sem a companhia dos seus familiares, fundamental para a sua segurança e protecção contra o tráfico, abuso e exploração infantil.

"Por outro lado, através do registo de crianças, há uma maior probabilidade de conseguir reuni-las com as suas famílias", refere a nota.

Para o representante do UNICEF em Angola, Abubacar Sultan, "reunir estas crianças com as respectivas famílias é uma prioridade".

Como ajuda adicional ao apelo feito pelo Governo angolano, a organização tem fornecido às autoridades da Lunda Norte materiais para apoiar as famílias acolhidas nos dois centros.

Neste apoio estão incluídos materiais de tratamento e purificação de água, 'kits' de reintegração familiar, educacionais e de recreação, medicamentos contra a malária e doenças diarreicas, tendas, cobertores, bem como cartazes e folhetos de prevenção de doenças.

O fornecimento diário de água potável nos campos, a instalação de tanques e o teste da qualidade da água, para a prevenção de doenças transmitidas por meio desta são outras ajudas prestadas.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
Saber mais e Alertas
pub