Cultura Empresas da cultura lucram em média 2,6 euros

Empresas da cultura lucram em média 2,6 euros

Lucro médio anual no sector cultural foi de 2,6 euros por empresa em 2014, revelou o INE no seu resumo estatístico do sector.
Empresas da cultura lucram em média 2,6 euros
Rui Peres Jorge 13 de Dezembro de 2016 às 14:02

As 50,7 mil empresas do sector cultural registaram em 2014 um volume de negócios de 4,5 mil milhões de euros e um lucro de 136,2 mil euros, revelou o INE a 13 de Dezemebro. Estes números significam que, em média, cada empresa gerou 88 mil euros de volume de negócios, mas apenas 2,6 euros de lucro.

"Em 2014, o número de empresas com actividade principal nas áreas culturais e criativas era de 50.671, as quais totalizaram um volume de negócios de 4,5 mil milhões de euros e um resultado líquido do período de 136,2 mil euros, de acordo com a informação do Sistema de Contas Integradas das Empresas", lê-se na nota do INE, o que resulta num volume de negócios médio de 88 mil euros e um lucro de 2,6 euros.

Face a 2013, o número de empresas cresceu 2% (de 49.691 mil), enquanto o volume de negócios total aumentou em 100 milhões de euros. A evolução traduz um aumento de 0,3% no volume de negócios por empresa, e de 51% no lucro médio que, em 2013, foi de 1,77 euros.

Na hierarquia por volume de negócios, o INE escreve que "cerca de metade do volume de negócios do sector cultural e criativo advém do "comércio a retalho de jornais, revistas e artigos de papelaria em estabelecimentos especializados" com 16,3%, das "agências de publicidade" com 15,4%, "actividades de televisão" com 10,8% e da "Edição de livros" com 7,9%. Seguem-se as actividades de "produção de filmes, de vídeos e de programas de televisão" (7,2%), "actividades de arquitectura" (6,4%)". No ranking sectorial, a edição de jornais, as artes do espectáculo e a edição de revistas contribuíram cada uma delas com 5% do volume de negócios.

Do ponto de vista do número de empresas, o destaque vai para as artes do espectáculo (com 29,6% do total de empresas), actividades de arquitectura (15,2%), criação artística e literária (10,1%) e comércio a retalho de jornais, revistas e artigos de papelaria (9,3%).

Emprego aumentou no sector em 2015

Os dados sobre lucros e volume de negócios de 2014 foram divulgados pelo INE na síntese anual estatística do sector, na qual revela também que em 2015 se verificou um aumento do número de pessoas empregadas de 8,7% para 85,2 mil trabalhadores, o que poderá antecipar um novo aumento do volume de negócios face a 2014.

O INE dá ainda conta que no ano passado o défice externo do sector aumentou, e que o número de visitantes e espectadores em museus, cinemas e espectáculos ao vivo cresceu 17,8% face a 2014. E também que as autarquias aumentaram os seus gastos com actividades culturais em 11%, para 392 milhões de euros, no qual se incluem, além de espectáculos, apoios a entidades culturais e recreativas, gastos de administração, despesas com bibliotecas e arquivos, conservação de monumentos, entre outros.  




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 5 dias


Comemorações Oficiais

FP . CGA – 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO

Porque é que 7 000 000 de trabalhadores e pensionistas privados têm de ser cada vez mais sacrificados para sustentar a reposição dos salários, das pensões e das mordomias de 1 000 000 de ladrões FP / CGA?

São medidas injustas que vão enterrar os portugueses em mais de 2 000 milhões €, por ano, todos os anos!

Chega de mordomias para os funcionários públicos, são as 35 horas de trabalho, os dias de férias que começam nos 25 dias, as pensões muito acima dos restantes mortais e com muito menos anos de descontos, o bloco de "desculpas" para faltar ao trabalho, as inúmeras greves dos inúteis sindicatos, a impossibilidade de serem despedidos.

comentários mais recentes
pertinaz Há 5 dias

CATARINA MARTINS E SEUS AMIGUINHOS FARTAM-SE DE FUGIR AOS IMPOSTOS !!!

Anónimo Há 5 dias


FIDEL - O HERÓI DA ESQUERDA NÃO PASSA DE UM RELES CRIMINOSO.

- Mandou matar mais de 9000 cubanos (que se saiba).

- Roubou mais de 900 milhões de dólares ao povo cubano, para a sua fortuna pessoal e da família (que se saiba).

Anónimo Há 5 dias


Comemorações Oficiais

FP . CGA – 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO

Porque é que 7 000 000 de trabalhadores e pensionistas privados têm de ser cada vez mais sacrificados para sustentar a reposição dos salários, das pensões e das mordomias de 1 000 000 de ladrões FP / CGA?

São medidas injustas que vão enterrar os portugueses em mais de 2 000 milhões €, por ano, todos os anos!

Chega de mordomias para os funcionários públicos, são as 35 horas de trabalho, os dias de férias que começam nos 25 dias, as pensões muito acima dos restantes mortais e com muito menos anos de descontos, o bloco de "desculpas" para faltar ao trabalho, as inúmeras greves dos inúteis sindicatos, a impossibilidade de serem despedidos.

pub