Justiça Empresas e Estado obrigados a garantir horário flexível

Empresas e Estado obrigados a garantir horário flexível

A esmagadora maioria dos 540 pareceres da Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego (CITE) deu razão aos trabalhadores.
Empresas e Estado obrigados a garantir horário flexível
Bloomberg
Negócios 29 de Novembro de 2016 às 09:20

A legislação estabelece determinados direitos a mães e pais e a esmagadora maioria dos pareceres elaborados pela Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego (CITE) deu razão aos trabalhadores, obrigando empresas e entidades públicas a garantir, por exemplo, um horário flexível que facilite a conciliação com a vida familiar.

O balanço é feito esta terça-feira pelo Jornal de Notícias, que explica que de um total de 540 pareceres, 86,11% foram desfavoráveis
às entidades empregadoras, e que 62,85% vinham do sector público. Este ano lideram os casos em unidades de saúde e em centros comerciais.

Do total de 540 pareceres que resultaram dos casos que chegaram à CITE, 80% 
dizem respeito à atribuição do horário flexível a trabalhadores com filhos menores de 12 anos.

Outros 18% prendem-se com processos de despedimento de trabalhadores grávidas, puérperas ou lactantes que, na maioria dos casos, a CITE considerou discriminatórios: em 97, só 33 deram razão à entidade empregadora.

Os restantes dizem respeito às intenções de recusa de trabalho a tempo parcial.

O número ainda é claramente minoritário mas há cada vez mais pedidos feitos por homens: 11,85% do total.

No ano passado, o Negócios fez 
um levantamento dos direitos laborais especialmente dirigidos a quem é pai ou mãe. 






A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub