Emprego Empresas portuguesas antecipam contratar mais pessoas no primeiro trimestre

Empresas portuguesas antecipam contratar mais pessoas no primeiro trimestre

As empresas portuguesas prevêem aumentar o número de contratações no primeiro trimestre do ano, de acordo com um estudo da Manpower. As perspectivas são as mais optimistas desde que o estudo começou a ser feito. Portugal está mesmo entre os países onde as empresas estão mais optimistas em relação à contratação de funcionários.
Empresas portuguesas antecipam contratar mais pessoas no primeiro trimestre
Bruno Simão/Negócios
Sara Antunes 12 de dezembro de 2017 às 11:14

A percentagem de empresas portuguesas que prevêem contratar funcionários no primeiro trimestre do ano é a mais elevada desde, pelo menos o terceiro trimestre de 2016, altura em que a Manpower começou a realizar um inquérito às empresas.

 

O estudo inquiriu 627 empresas em Portugal com uma questão: "Quais as alterações que prevê para o emprego na sua região, nos três meses que terminam em Março de 2018, em comparação com o trimestre actual?" 16% das empresas inquiridas prevêem aumentar as contratações, enquanto apenas 3% prevê diminuir. E ainda que esmagadora maioria das empresas estime uma manutenção do número de funcionários, os dados da Manpower revelam que "a projecção para a criação líquida de emprego situa-se nos 13%."

 

"As perspectivas de contratação correspondem aos valores mais altos desde que o estudo foi lançado em Portugal, no terceiro trimestre de 2016, melhorando 10 e 8 pontos percentuais face ao trimestre anterior e ao período homólogo, respectivamente", adianta a Manpower.

 

Por regiões, é no Sul que mais empresas admitem aumentar o número de funcionários, com a criação líquida a ascender a 18%. No Centro este valor desce para 13%, enquanto no Norte o valor é de 12%. A Grande Lisboa e o Grande Porto deverão registar aumentos menores de 11% e 9%, respectivamente.

 

No que respeita a sectores, é nos transportes, logística e comunicações onde as previsões apontam para uma criação líquida de 30%. Em segundo lugar surge o sector de agricultura, florestas e pescas (21%).

 

São as grandes empresas que mais contratações prevêem fazer, com a criação líquida de emprego a ascender a 21%. Nas médias empresas e nas pequenas empresas as perspectivas apontam para uma criação líquida de 15%, enquanto as microempresas apontam para uma criação líquida de 6%.

 

A Manpower realizou este estudo em 43 países, sendo que apenas dois não apontam para aumento da contratação no primeiro trimestre de 2018 (Itália e Áustria). Portugal é o 13.º país com uma previsão de criação de emprego mais elevada, em ex-aequo com a Grécia.