Emprego Empresas que contratem desempregados vão ter acesso a 60 milhões ao longo de 2017

Empresas que contratem desempregados vão ter acesso a 60 milhões ao longo de 2017

O primeiro concurso para os novos apoios à contratação de desempregados arranca na próxima semana, noticia o Público esta terça-feira, 17. Será apoiada, numa primeira fase, a criação de cinco mil postos de trabalho.
Empresas que contratem desempregados vão ter acesso a 60 milhões ao longo de 2017
Negócios 17 de janeiro de 2017 às 09:20

O Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) lança no próximo dia 25 de Janeiro o primeiro concurso para os novos apoios à contratação de desempregados. Trata-se de uma medida Contrato-Emprego e vem substituir o Estímulo ao Emprego, suspenso desde meados do ano passado. A notícia faz a manchete do jornal Público desta terça-feira, 17 de Janeiro.

 

Segundo o jornal, este novo programa será mais selectivo que os anteriores, deixando de apoiar empresas que se limitem a contratar desempregados por períodos inferiores a um ano. O IEFP tornará público o regulamento depois da publicação em Diário da República do diploma que cria a medida, o que deverá acontecer nos próximos dias.

 

Para o primeiro concurso, estará disponível uma dotação inicial de 20 milhões de euros, sendo que ao longo deste ano serão abertos mais dois períodos de candidaturas. No total, escreve o Público, a expectativa é que os três concursos ascendam a um total de 60 milhões em apoios e que chegam a 15 mil desempregados. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 17.01.2017

Os desempregados querem trabalhar. As empresas precisam que entre dinheiro fresco nas suas cotações com sustentabilidade.

pub