Economia Endividamento da economia atinge novo recorde em Maio

Endividamento da economia atinge novo recorde em Maio

O endividamento da economia atingiu o valor mais alto desde que há registos (Dezembro de 2007), sobretudo devido à subida da dívida do sector privado.
Endividamento da economia atinge novo recorde em Maio
Miguel Baltazar/Negócios
Rita Faria 19 de julho de 2018 às 11:35

O endividamento do sector não financeiro aumentou, em Maio, pelo segundo mês consecutivo, para um valor recorde: 724,7 mil milhões de euros, de acordo com os dados revelados esta quinta-feira, 19 de Julho, pelo Banco de Portugal.

 

De acordo com os dados da autoridade liderada por Carlos Costa, deste total, 322,4 mil milhões respeitavam ao sector público e 402,3 mil milhões ao sector privado.

 

Em relação ao mês anterior (Abril), o endividamento da economia cresceu em mil milhões de euros, já que nesse mês tinha ascendido a 723,65 mil milhões (um valor que foi revisto em baixa pelo Banco de Portugal, em relação aos 724,29 mil milhões inicialmente avançados).

 

Este aumento de mil milhões resultou, sobretudo, da subida do endividamento do sector privado (700 milhões de euros) já que no sector público o incremento foi de 300 mil milhões.

 

Este aumento da dívida pública já era, aliás, conhecido, e foi justificado, no início deste mês, pelo Banco de Portugal, com a subida dos empréstimos relativamente ao final de Abril. 

A carregar o vídeo ...


"Os activos em depósitos das administrações públicas diminuíram 1,1 mil milhões de euros, tendo a dívida pública líquida de depósitos registado um acréscimo de 1,4 mil milhões de euros em relação ao mês anterior, totalizando 226,3 mil milhões de euros", esclareceu o banco central.

 

Quanto ao sector privado, destaca o Banco de Portugal, "observou-se um aumento do endividamento externo das empresas em 0,5 mil milhões de euros. Os particulares registaram um incremento do endividamento face ao sector financeiro de 0,2 mil milhões de euros".

 

Os dados conhecidos esta quinta-feira só revelam o valor nominal do endividamento, uma vez que ainda não há dados do produto interno bruto (PIB).

 

Em percentagem do PIB será de esperar que o endividamento tenha diminuído, uma vez que a economia está a crescer. Os últimos dados conhecidos referem-se a Março, o fim do primeiro trimestre. Na altura, o endividamento do sector não financeiro caiu para 369,6% do PIB.




Saber mais e Alertas
pub