Finanças Públicas Endividamento da economia portuguesa atinge novo recorde

Endividamento da economia portuguesa atinge novo recorde

Só as famílias baixaram o endividamento em Maio face a Abril. As empresas privadas e o Estado levaram o endividamento total a aumentar mais 1,7 mil milhões de euros num só mês.
Endividamento da economia portuguesa atinge novo recorde
Bruno Simão/Negócios
Nuno Carregueiro 20 de julho de 2017 às 11:30

724,4 mil milhões de euros. Era este o valor da dívida do Estado, empresas e famílias portuguesas em Maio deste ano. Um novo máximo histórico que se deve ao incremento do endividamento do sector público e também do sector privado.

 

Contra Abril, mês em que já se tinha fixado um recorde no endividamento da economia portuguesa, o aumento foi de 1,7 mil milhões de euros.

 

O endividamento do sector público aumentou 700 milhões de euros, para 315,9 mil milhões de euros. No sector privado o aumento foi de mil milhões de euros para 408,5 mil milhões.


 

De acordo com uma nota do Banco de Portugal, "o acréscimo do endividamento do sector público deveu-se, sobretudo, ao aumento de operações de financiamento entre entidades da administração central, aumento esse que foi parcialmente compensado pela diminuição do financiamento obtido junto do sector não residente".

 

O aumento da dívida do sector público tem sido constante. Face a Maio do ano passado, o agravamento do endividamento do Estado totalizou 11,6 mil milhões de euros. Em Março deste ano representava já 166,8% do PIB. Já a dívida pública, medida pela óptica de Maastricht, estava em Março nos 130,5% do PIB, como confirmou hoje o Eurostat

 

No que diz respeito ao sector privado não financeiro, apesar dos aumentos nos meses mais recentes, está ainda abaixo do registado no período homólogo. Face a Maio de 2016, desceu 3,2 mil milhões de euros.

 

O Banco de Portugal adianta que a "subida do endividamento do sector privado reflecte o acréscimo do endividamento externo das empresas privadas e o decréscimo do endividamento destas empresas e dos particulares junto do sector financeiro residente".

 

As empresas privadas apresentavam em Maio deste ano um endividamento de 266,7 mil milhões de euros, um agravamento de mais de mil milhões de euros face a Abril mas abaixo do registado em Maio de 2016 (267,9 mil milhões de euros).

 

Já nos particulares, que apresentavam um endividamento de 141,8 mil milhões de euros, registou-se uma redução contra Abril e Maio do ano passado. Uma descida justificada sobretudo pela redução do endividamento das famílias para compra de casa, que em Maio deste ano estava quase 4 mil milhões de euros abaixo do registado no mesmo mês do ano passado.

 

Apesar de em valores nominais o endividamento total da economia estar em níveis recorde, o peso na economia deverá estar a abrandar, devido ao ritmo de aceleração mais forte do PIB. Os últimos dados disponíveis dizem respeito a Março deste ano e colocam o endividamento da economia portuguesa em 385,1% do PIB, o que se situa abaixo dos 392,6% registados em Março do ano passado. Este indicador já chegou a superar os 400% do PIB. 




A sua opinião35
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 20.07.2017

Com a brigada anti-capital e pró-trabalho a todo o custo mesmo que este já não se justifique, o mercado de acções como garante do investimento que fomenta a modernização, a inovação e a internacionalização da economia portuguesa sem contudo a colocar em risco de bancarrota ou enquadrada num Estado sem soberania, estará sempre limitado e subaproveitado.

comentários mais recentes
DoMarão 21.07.2017

Calma, não entremos em pânico, o Torrado e o Centino resolvem esta equação e é simples : é só voltar a tirar aos pensionistas e aumentar os impostos...

Anónimo 20.07.2017

Não entrem em pânico. O nosso Ronaldo das finanças, (que só tem marcado golos na própria baliza) tem estagiado pelas Alemanhas e, com o que está a aprender, está quase apto a marcar ao adversário. Tenhamos calma. Esta "festa" só dura há 21 meses, O nosso Chefe de Estado está atento e, se for necessário, revolverá a situação, caso o desastre dispare para um "cemitério"similar ao de 2011!!!

Anónimo 20.07.2017

Quando a dívida atingir um valor tal, que Portugal deixa novamente de poder pedir emprestado "normalmente" e o PS e PCP e BE pedirem novamente apoio ao FMI e outras instituições, os Portugueses podem ficar descansados que o PSD e o CDS terão a coragem de tomar as medidas dificeis para resolver.

O tom alarmente (propositado) diz 20.07.2017

bem da intenção de quem noticia. Após o titulo, aos poucos começa a descrever os porquês desse aumento. Com por vezes alguns só leem os cabeçalhos fica instalado a confusão e o aproveitamento politico. É assim que certa imprensa manipula as noticias, confundido a opinião publica. Pobre País !

ver mais comentários
pub