Finanças Públicas Endividamento da economia portuguesa desce pelo terceiro mês

Endividamento da economia portuguesa desce pelo terceiro mês

A redução do endividamento do sector público foi suficiente para compensar o aumento da dívida das empresas privadas e famílias.
Endividamento da economia portuguesa desce pelo terceiro mês
Bloomberg
Nuno Carregueiro 22 de janeiro de 2018 às 12:18

Depois do máximo de sempre fixado em Agosto, próximo dos 725 mil milhões de euros, o endividamento da economia portuguesa desceu em Novembro pelo terceiro mês consecutivo, reflectindo a descida da dívida pública e os reembolsos ao FMI.

 

O Banco de Portugal revelou esta segunda-feira, 22 de Janeiro, que o endividamento do sector não financeiro (administração publica, empresas privadas e famílias) atingiu 720,8 mil milhões de euros em Novembro, o que corresponde a uma descida de 647 milhões de euros face a Outubro.

 

Segundo o banco central, esta descida resultou de um decréscimo de 1,6 mil milhões de euros verificado no endividamento do sector público, o qual foi parcialmente compensado pelo aumento de mil milhões de euros observado no endividamento do sector privado.

 

O Banco de Portugal tinha já revelado que a dívida pública havia descido 2,5 mil milhões de euros em Novembro, uma redução que ficou a dever-se em grande parte aos vários reembolsos antecipados efectuados ao FMI.

 

Quanto ao sector privado, "a subida do endividamento deveu-se, sobretudo, ao acréscimo do endividamento externo das empresas privadas em 800 milhões de euros e ao aumento do endividamento dos particulares e das empresas privadas junto do sector financeiro em 200 milhões de euros".

 

Apesar de, em Novembro, ter ocorrido um aumento do endividamento do sector privado, a tendência dos últimos meses tem sido de desalavancagem. No final do terceiro trimestre, quando medido em função do peso no PIB, o endividamento das empresas e dos particulares estava no nível mais baixo em 10 anos.

 

Ainda assim, o endividamento total da economia portuguesa está mais de 7 mil milhões de euros acima do registado em Novembro de 2016. É que antes destes três meses seguidos de quedas, o endividamento total tinha subido 11,8 mil milhões de euros entre Janeiro e Agosto do ano passado.




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anda tudo baralhado Há 2 dias

Então se uma empresa não contabilizar as facturas dos fornecedores, isso significa que já não deve nada a ninguém????

Ás tantas fico baralhado.......

CaTu Há 2 dias

Parece que o BCP vai pagar a dívida de todos mesmo os que não compram acções a 30 Euros

Anónimo Há 2 dias

Se o esforço for feito em conjunto e por todos, a dividida será paga sem grandes sacrifícios.

BCP a AÇÃO com mais POTENCIAL Há 2 dias


o MILENIUM BCP é a AÇÃO com mais potencial DE SUBIDA em TODA a EUROPA a nossa ECONOMIA é a que mais cresçe EM TODA a EUROPA deixem em ABRIL termos o PLENO das 3 AGÊNCIAS de RATINGS que vão ver aonde o MILENIUM BCP vai PARAR ( 1 EURO )

ver mais comentários
pub