Economia Energias renováveis no mar podem criar mais-valias de 250 milhões de euros e mil empregos

Energias renováveis no mar podem criar mais-valias de 250 milhões de euros e mil empregos

A industrialização das energias renováveis, a nível de eólicas ‘offshore’ e de marés, poderá criar uma mais valia económica de 250 milhões de euros e mil postos de trabalho directos até 2022, estimou a ministra do Mar.
Energias renováveis no mar podem criar mais-valias de 250 milhões de euros e mil empregos
Miguel Baltazar
Lusa 11 de março de 2017 às 11:07

Em entrevista à agência Lusa, Ana Paula Vitorino, explicou ter terminado a discussão do roteiro sobre energias renováveis oceânicas, que inclui contributos de cientistas e de empresas a operar na área energética. "Podemos agora aprovar o roteiro final e começar já a execução", disse a ministra que, apesar de não gostar de "dar estimativas", revelou que os estudos desenvolvidos mostram "ser possível criar valor acrescentado bruto para o país na ordem dos 250 milhões de euros até 2022 (o período estendido dos actuais fundos comunitários)".

 

A estimativa de criação directa de emprego é "substancial e ultrapassa os mil postos de trabalho", adiantou, referindo ainda o "benefício ambiental óbvio e imensurável". "A estimativa que os estudos dão são 1.500 postos de trabalho, mas vamos ser conservadores nessas estimativas e dizer que podemos ter várias centenas de novos postos de trabalho", precisou Ana Paula Vitorino.

 

Este roteiro surge no âmbito, nomeadamente, do compromisso europeu de reduzir em 40% a emissão de gases de efeito estufa até 2030, da obrigação de diminuir o consumo da electricidade em 27% e aumentar na mesma percentagem a utilização de energias renováveis.

 

"As energias oceânicas têm, a prazo, a possibilidade de suprir cerca de 25% o consumo de electricidade. Por isso, temos que começar já", alertou a ministra, recordando ainda o objectivo traçado pelo seu Governo de até 2050 a economia ter um balanço neutro em termos de carbono.

 

Para colmatar as dificuldades de existirem apenas "tecnologias ainda pouco maduras para implementação industrial" e os custos de produção elevados, que impedem unidades competitivas, deve haver a "aposta na inovação".

 

Assim, haverá a aposta na criação de ‘clusters’ (concentração de empresas) para "apoiar e desenvolver a investigação dirigida a tecnologias, nomeadamente de eólicas ‘offshore’ (no mar) flutuantes e da energia das marés", com incentivos públicos.

 

Ana Paula Vitorino destacou ainda a associação que será feita das energias renováveis à indústria naval e aos portos para "criar sinergias e baixar o custo da inovação e da produção" e "atingir custos competitivos na energia produzida nestes parques com o resto do mercado".

 

"Temos que agir já", defendeu a ministra, explicando que o "sentido de urgência é porque Portugal precisa de ocupar este espaço", porque "vai ganhar quem liderar estas matérias".

 

Quanto a fundos comunitários, a ministra indicou a "esperança" de ver ultrapassada a estimativa de execução de 17% do programa Mar2020, com uma dotação global que ronda os 400 milhões de euros.

 

Por seu lado, o Fundo Azul entrou oficialmente em vigor no início do ano, estando actualmente o ministério a preparar as divulgações para formalização de candidaturas. Para este ano, o fundo tem garantida uma verba de 13,6 milhões de euros, à qual acresce uma parte das percentagens cobradas para o licenciamento de actividades e de coimas relacionadas com o mar.

 

Este é um fundo complementar ao Mar2020 e destina-se a financiar "actividades ligadas à economia azul, que pela sua inovação ainda têm níveis de risco muito elevados e a banca comercial tem dificuldade em financiar", resumiu a ministra.

 

 


A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Conselheiro de Trump 12.03.2017

Tudo para la da governacao gerigoncal.Parece ja nao haver mais sardinhas para contar.La vao os santos populares carregar no preco da sardinha.

Mar Alto 11.03.2017

Se Portugal for capaz de aproveitar a energia das sua ondas! será a Arábia Saudita do Futuros!
Tecnologia (protótipo) existe!.. falta o resto!..
ver: https://www.youtube.com/watch?v=GM0OhZC82D4


pub