Saúde Enfermeiros especialistas vão avançar para greve de cinco dias

Enfermeiros especialistas vão avançar para greve de cinco dias

Os enfermeiros especialistas em saúde materna e obstetrícia vão fazer uma greve de 31 de Julho a 4 de Agosto, em protesto contra o não pagamento desta especialização, anunciou hoje o Sindicato dos Enfermeiros.
Enfermeiros especialistas vão avançar para greve de cinco dias
Ricardo Castelo
Lusa 13 de julho de 2017 às 22:30

Em declarações à Lusa, José Azevedo, presidente do Sindicato dos Enfermeiros, disse que os enfermeiros especialistas "vão endurecer as formas de luta, passando de uma greve de zelo para a greve total".

 

"Vai ser um abandono total dos serviços. Vamos reduzir aquilo aos cuidados mínimos, como a lei impõe", explicou o dirigente sindical, adiantando que o pré-aviso de greve vai ser apresentado pela Federação Nacional dos Sindicatos de Enfermeiros (FENSE) na sexta-feira.

 

O sindicalista falava à porta da Urgência do Hospital de Aveiro, onde decorreu ao início da noite uma conferência de imprensa para fazer um balanço dos dez dias de protesto do movimento de Enfermeiros Especialistas em Saúde Materna e Obstetrícia (EESMO).

 

Estes profissionais estão em protesto desde 3 de Julho, recusando-se a prestar cuidados diferenciados, uma situação que, segundo Bruno Reis, porta-voz do movimento EESMO, está a afectar 15 hospitais.

 

"A vigilância materno-fetal no país está francamente comprometida", vincou Bruno Reis, adiantando que "há serviços sem enfermeiros especialistas e onde são os médicos que estão a fazer esta vigilância, quando poderiam estar a desempenhar outras funções".

 

Este enfermeiro especialista de saúde materna do Hospital de Aveiro diz que é urgente resolver esta questão e adianta que não são só os enfermeiros que estão preocupados. "Os médicos também estão preocupados e estão desgastados porque estão a assumir eles, quase na íntegra, a vigilância da grávida", referiu.

 

Segundo a Ordem dos Enfermeiros, que apoia os profissionais neste protesto, existem cerca de 2.000 enfermeiros que, apesar de serem especialistas, recebem como se prestassem serviços de enfermagem comum.

 

Para dar voz a esta reivindicação, foi criado o movimento EESMO (Enfermeiros Especialistas em Saúde Materna e Obstetrícia), o qual organizou no dia 29 de Junho uma vigília frente à residência do primeiro-ministro.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 dias

VERGONHOSO É O QUE ESTE E ANTERIORES MINISTROS DA SAÚDE FIZERAM E FAZEM AOS ENFERMEIROS. SÓ HÁ DINHEIRO PARA OS MÉDICOS (PUDERA MINISTROS SÃO SEMPRE MÉDICOS). RELEMBRO QUE DE UMA SÓ VEZ FORAM AUMENTADOS QUASE 1000 EUROS NO ORDENADO BASE.GASTAM CERCA DE 85% DOS RECURSOS DO SNS SÓ COM SEUS ORDENADOS.

anonimo Há 3 dias

Agora sim, vão fazer aquilo que andam a fazer desde o início, mas sem ganhar.O que os diretores de serviço deveriam fazer, era manda-los para os serviços de medicina e psiquiatria.Aí já podem fazer cuidados indiferenciados,Vergonhoso o que estão a fazer.Grávidas em perigo por causa delesVergonha

pub
pub
pub
pub