Política Erdoğan poderá liderar a Turquia até 2029

Erdoğan poderá liderar a Turquia até 2029

O Partido Justiça e Desenvolvimento (AKP) pretende levar a cabo uma emenda constitucional para garantir Recep Tayyip Erdogan na liderança por mais 13 anos.
Erdoğan poderá liderar a Turquia até 2029
Negócios 23 de Novembro de 2016 às 23:08

O AKP, apoiado pelos nacionalistas, está em vias de avançar com uma alteração constitucional no sentido de transformar a Turquia uma república liderada pelo presidente e permitir que Erdogan (na foto) se mantenha no seu cargo até 2029, avançou o The Guardian.

O actual presidente concorrerá a um segundo mandato em 2019 e a partir de então poderá governar até 2024, caso vença.


Devlet Bahçeli, líder do bloco nacionalista no parlamento turco, afirmou na passada terça-feira, 22 de Novembro, que a proposta é razoável.


Erdogan levará a cabo um referendo nacional nos próximos meses. Vários órgãos de comunicação receberam informações sobre a emenda constitucional que apontam para que o presidente se mantenha em funções até 2029.


A proposta prevê também a abolição do cargo de primeiro-ministro e a criação de dois cargos de vice-presidente. O líder passaria também a ter um maior poder para activar as políticas executivas. Ao contrário do que actualmente acontece na Turquia, as alterações prevêem que o presidente mantenha ligações ao seu partido político após assumir o seu cargo.


De acordo com responsáveis do governo turco, a mudança de sistema para uma liderança presidencial poderá colocar um ponto final na fragilidade que os governos de coligação têm tido no país.


A oposição vê esta decisão como uma forma de consolidar o poder de Erdogan, que poderá vir a governar com um maior autoritarismo. Na semana passada, um deputado do Partido Popular Republicano (CHP) afirmou que a emenda constitucional levaria a uma governação autoritária. Também Partido Popular Democrático (HDP), pró-curdo, se opõe a esta proposta.


Na semana passada, o governo reprimiu os meios de comunicação da oposição e prendeu membros curdos do parlamento, acusados de propagandear grupos terroristas.


As tensões na Turquia têm merecido a atenção dos parceiros ocidentais. Na terça-feira, líderes do Parlamento Europeu apelaram ao corte de conversações com o país. Manfred Weber, líder do Partido Popular Europeu, pediu que sejam "imediatamente congeladas" as actuais conversações. Weber teve também o apoio de Gianni Pittella, líder do grupo socialista no PE.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub