IMI Erro informático impede casais de repartir imóveis para "escapar" ao AIMI
IMI

Erro informático impede casais de repartir imóveis para "escapar" ao AIMI

Alguns contribuintes não estão a conseguir submeter a declaração ao Fisco, mas o Governo garante ao Dinheiro Vivo que o problema vai ser corrigido até quarta-feira.
Erro informático impede casais de repartir imóveis para "escapar" ao AIMI
Bruno Simão/Negócios
Negócios 15 de maio de 2017 às 09:45

Um problema informático está a impedir a submissão de declarações de IRS por parte de casais que querem optar pela tributação conjunta do património, de forma a dividir entre si os imóveis de que são proprietários e assim beneficiar de um valor mais elevado até ao qual há isenção no chamado adicional ao IMI (AIMI).

 

Em esclarecimento ao Dinheiro Vivo, que esta segunda-feira, 15 de Maio, denuncia este problema, o Ministério das Finanças reconheceu que "detectou-se que o sistema não está a aceitar pedidos em casos de tributação conjunta em que a lei o permite e a situação está a ser corrigida". E promete que até quarta-feira irá resolver esta falha informática.

 

Os afectados por este problema têm sido os contribuintes casados em regime de comunhão de adquiridos e também em regime de separação de bens em que só um dos cônjuges tem imóveis registados no seu nome. O prazo para que submetam essa declaração através do Portal das Finanças termina a 31 de Maio.

 

Aprovado no Orçamento do Estado para 2017, o AIMI incide sobre prédios de habitação e terrenos para construção e atinge de forma diferente os proprietários que sejam pessoas singulares ou sociedades. Os particulares enfrentam o AIMI a partir dos 600 mil euros de valor patrimonial tributário, caso apresentem o património individualmente, mas só a partir de 1,2 milhões de euros de VPT caso optem pela tributação conjunta do património.

 

Ou seja, até estes montantes não há lugar a qualquer adicional, sendo que, o que conta, é a soma do valor patrimonial tributário de todos os imóveis classificados como habitação e/ou que sejam terrenos para construção.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub