Emprego Escandinávia precisa desesperadamente de mão-de-obra qualificada

Escandinávia precisa desesperadamente de mão-de-obra qualificada

A indústria escandinava há muito que se queixa da escassez de mão-de-obra qualificada. A suécia e a Dinamarca lideram um ranking que não queriam.
Escandinávia precisa desesperadamente de mão-de-obra qualificada
Linus Hook
Bloomberg 26 de novembro de 2017 às 11:00

"Mesmo sendo o nosso clima tão mau quanto o do Reino Unido, nós ainda temos muito a oferecer." Assim escreveu um ex-ministro da Economia dinamarquês no The Guardian, neste mês, na tentativa de atrair trabalhadores qualificados europeus preocupados com o Brexit.

 

A indústria escandinava há muito que se queixa da escassez. E agora tem um aliado. A Hays, uma firma especializada em recrutamento, publicou o seu relatório anual mais recente sobre a oferta e procura de trabalhadores qualificados em 33 grandes economias.

 

O Global Skills Index (Índice Global de Talentos), compilado com a ajuda da Oxford Economics, utiliza sete indicadores (desde flexibilidade educacional até à pressão salarial em trabalhos altamente qualificados) para quantificar a facilidade ou a dificuldade de as empresas atraírem e reterem os trabalhadores mais talentosos (uma pontuação acima de 5 sugere que o mercado de trabalho está sob pressão).

 

Assim como no ano passado, a líder do índice é a Suécia, onde a procura por mão-de-obra especializada ultrapassa de longe a oferta, razão pela qual os salários dos sectores altamente qualificados têm vindo a subir. O desequilíbrio é tão acentuado que a Suécia corre o risco de ficar de fora do grupo de países europeus com forte crescimento, segundo Torbjorn Halldin, economista da Confederação Sueca de Empresas.

 

A terceira classificada é a Dinamarca, cuja pontuação aumentou mais do que a de qualquer outro país neste ano. A Confederação da Indústria Dinamarquesa afirmou que os resultados estão em linha com suas próprias conclusões de que "quase 4 em cada 10 das nossas empresas associadas têm tido dificuldades para recrutar funcionários qualificados".

 

O vice-director Steen Nielsen atribui parte da culpa à decisão da Dinamarca de aumentar o montante de dinheiro que um trabalhador de fora da UE deve ganhar para se qualificar para um visto de trabalho. A decisão foi impulsionada pelo Partido Social-Democrata, da oposição, e pelo Partido Popular Dinamarquês, nacionalista, como parte dos esforços conjuntos para reduzir a chegada de trabalhadores estrangeiros ao país.

 

Entre as principais actividades mais procuradas estão a contabilidade, na Suécia, e desenvolvimento de software, na Dinamarca.




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas

Em Portugal estamos muito mais a frente .
Apresenta-se ordenados de 600 € a 900 € por gente qualificada e pode-se sempre dizer que são velhos e que temos gente mais barata.

comentários mais recentes
JCG Há 2 semanas

Este escrito evidencia bem a inversão que ocorreu na economia capitalista, a qual conduziu a que, em vez de a economia actual ser criada e organizada para satisfazer as necessidades efectivas da população e garantir-lhes o melhor padrão de vida possível, passou, antes, a ser a economia que a variável independente, que está no comando, e que até determina as necessidades das populações e gere essas populações como variáveis subordinadas. É o domínio da lógica do crescimento económico. A religião de muita gente. Da direita até à esquerda. Crescer sempre e mais! Até ao céu? Mais crescimento; mais desperdício; maior consumo e exaustão de recursos finitos do planeta; mas mais milhões a caírem nas contas das nomenclaturas dirigentes das grandes empresas e conglomerados. Se essas sociedades já atingiram elevados padrões de bem estar que satisfazem as necessidades dos residentes, para quê continuar a economia a crescer?

fpublico condenado a 48 anos trabalho/descontos Há 2 semanas

MANDEM PRA LA OS CIGANOS E PESSOAL DOS BAIRROS SOCIAIS QUE PASSAM DIAS A BRINCAR COM TELEMOVEL E TB PODEM IR OS REFORMADOS AOS 60 ANOS SEM CORTES

Anónimo Há 2 semanas

Simplificando a noticia, o Mundo carece desesperadamente de mais totós da informática, para desenvolver apps e outras tretas do género, dado que na idiocracia existe uma grande demanda por produtos desse tipo e as pessoas passam mais tempo agarrados a um ecran do que no Mundo real.

Bruno Há 2 semanas

Sendo o mercado aberto, que essas empresas venham para cá. Resolvem o problema e podem continuar a vender para os mesmos mercados como faziam até agora..

ver mais comentários