União Europeia Eslováquia pede que se acabe com as "aventuras" dos referendos na UE

Eslováquia pede que se acabe com as "aventuras" dos referendos na UE

O primeiro-ministro eslovaco instou os restantes líderes europeus a acabarem de vez com as "aventuras" dos referendos sobre questões internas, com Robert Fico a considerar que os mesmos acabam por representar ameaças para a UE e o euro.
Eslováquia pede que se acabe com as "aventuras" dos referendos na UE
Reuters
David Santiago 02 de Janeiro de 2017 às 17:21

"Peço aos líderes da União Europeia (UE) para pararem com aventuras como os referendos britânico e italiano", afirmou esta segunda-feira, 2 de Janeiro, o primeiro-ministro eslovaco, Robert Fico, defendendo que estas consultas populares, mesmo que acerca de "questões domésticas", acabam por "constituir ameaças para a UE e o euro".

 

As declarações de Fico foram realizadas no âmbito da cerimónia em que a Eslováquia passou oficialmente a presidência rotativa da UE para as mãos de Malta, que durante os próximos seis meses assegurará a liderança europeia.

 

O chefe do Governo eslovaco prosseguiu discorrendo sobre as consequências que poderão ainda advir do referendo constitucional italiano, que ao determinar uma substancial vitória do "não" às alterações constitucionais do então Executivo liderado por Matteo Renzi acabou por determinar a demissão do agora ex-primeiro-ministro transalpino.

 

Porque se "o Reino Unido não pertence à Zona Euro, a Itália tem um enorme impacto no sector da banca e no euro", insistiu Robert Fico que, citado pela agência Reuters, pergunta ainda "o que faremos se (…) houver um referendo em Itália sobre o euro e os eleitores italianos decidirem que não querem o euro?".

 

Apesar de congelada, a crise política em Itália permanece à espreita. Isto porque o Executivo de Paolo Gentiloni está no poder a prazo, só até que haja uma nova lei eleitoral capaz de consensualizar o método de eleição das duas câmaras do Parlamento transalpino (Deputados e Senado).

 

E perante a expectativa de novas eleições possivelmente ainda em 2017, é real a possibilidade de o partido anti-sistema Movimento 5 Estrelas conquistar o poder, o que a acontecer poderá determinar um a realização de um referendo à continuação do país na Zona Euro, uma promessa da força liderada por Beppe Grillo.

 

As declarações hoje feitas pelo líder eslovaco não podem ser também dissociadas dos actos eleitorais que terão lugar este ano na Europa. Nomeadamente na Holanda, França e Alemanha, países em que se assiste ao crescimento de forças de extrema-direita que, entre outros aspectos, partilham sentimentos eurocépticos.

 

Também na Eslováquia se assiste a uma tendência semelhante. Ainda recentemente a pequena força de extrema-direita Partido Popular promoveu uma petição com vista ao agendamento de um referendo popular sobre a permanência do país como membro da UE e da NATO.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Ciifrão Há 2 semanas

Os referendos não são para dar a palavra ao povo, infelizmente são oportunidade para dividir o povo, para o manipular em campanhas de onde sobressaem os mais diversos oportunistas.

comentários mais recentes
Ciifrão Há 2 semanas

Os referendos não são para dar a palavra ao povo, infelizmente são oportunidade para dividir o povo, para o manipular em campanhas de onde sobressaem os mais diversos oportunistas.

Lixo Há 2 semanas

O poder absoluto, esta gente não percebe que quem manda são os povos e já começa a escassear a paciência, vai tudo à frente

Anónimo Há 2 semanas

"OS POLÍTICOS SÃO OS EMPREGADOS DO POVO"
pelos vistos este 1º ministro ainda não percebeu isso portanto
NÃO É DIGNO DO CARGO QUE OCUPA

pub