Europa Espanha: FMI sugere aumentos no IVA e outros impostos sobre o consumo

Espanha: FMI sugere aumentos no IVA e outros impostos sobre o consumo

O excessivo peso da dívida pública está a deixar a economia espanhola muito vulnerável a perturbações exteriores, diz o FMI, que pressiona para aumentos de impostos sobre o consumo e poupanças com saúde e educação.
Espanha: FMI sugere aumentos no IVA e outros impostos sobre o consumo
Bruno Simão
Negócios 14 de dezembro de 2016 às 12:46

O Fundo Monetário Internacional (FMI) quer que Espanha reveja as taxa mais baixas do IVA, os impostos especiais sobre o consumo e os impostos de natureza ambiental, incluindo sobre os combustíveis. Pressiona também para que se consigam poupanças nas áreas da saúde e da educação, no sentido de reduzir a despesa pública nestes sectores. O problema, escreve o jornal El Pais, são o défice e a dívida pública, cujo peso excessivo está a deixar a economia espanhola "muito vulnerável a perturbações externas".

 

Ainda segundo o periódico espanhol, que cita Andrea Schaechter, a economista do FMI encarregue de seguir a economia do país, a ideia não é mais austeridade. "O ajustamento pode ser gradual e feito com subidas de impostos", diz Schaechter. E o IVA será o exemplo mais flagrante por onde ir, já que, diz a especialista do FMI, "comparando com o resto da Europa, Espanha tem margem para mexer nas taxas reduzidas de imposto, nomeadamente sobre a restauração", que pratica actualmente uma taxa de IVA de 10%, abaixo dos 13% de Portugal.

 

Da mesma forma, e aproveitando uma altura em que a energia regista preços mais baixo, será possível aumentar os impostos especiais sobre o consumo e a taxas ambientais, argumenta igualmente Andrea Schaechter.

 

Esta terça-feira, 12 de Dezembro, foi conhecido o relatório do FMI que marca a conclusão de uma avaliação de fundo à economia espanhola e onde a instituição conclui que o país fez um bom trabalho nos últimos dois anos, mas, se quiser manter o "desempenho económico dinâmico" tem de ir mais longe e reduzir as fragilidades estruturais que ainda persistem.

 

No lado da despesa, o FMI considera que se poderá, sobretudo, melhorar a eficiência. E recomenda "uma revisão profunda dos gastos sobretudo em saúde e educação", embora não avance com pistas concretas sobre como fazer poupanças. 


A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Carlos Sampaio 14.12.2016

Parabéns pelo artigo! E aproveitando o espaço, gostaria de convidar a todos para conhecer nosso mais novo curso básico de tributos: http://www.renanbarabanov.com.br/curso-tributos, aprenda a otimizar seus custos!

correiaalbert 14.12.2016

Se disseram isso... é para arrebentarem com a economia de España!

pub