Europa Espanha promete a Bruxelas défice de 2,2% em 2018

Espanha promete a Bruxelas défice de 2,2% em 2018

O ministro espanhol das Finanças compromete-se a enviar um Orçamento final assim que possível e garante que serão tomadas medidas para cumprir o défice previsto para 2018.
Espanha promete a Bruxelas défice de 2,2% em 2018
Marta Moitinho Oliveira 31 de outubro de 2017 às 17:06

O governo espanhol garante que o Orçamento do Estado para 2018, que ainda não foi apresentado, vai assumir uma meta para o défice de 2,2% do PIB para o próximo ano, assim como as medidas necessárias ao cumprimento das regras europeias. O compromisso das autoridades espanholas consta da carta enviada na segunda-feira à Comissão Europeia e que pretende descansar Bruxelas pelo facto de ainda não existir proposta final de Orçamento para 2018.

"Quando os novos planos orçamentais forem apresentados ao Parlamento, o governo espanhol submeterá uma actualização do draft do Orçamento à Comissão Europeia e ao Eurogrupo. O Orçamento actualizado vai incluir medidas de política económica para garantir o cumprimento dos objectivos orçamentais para 2018", acordados na decisão do Conselho de Agosto de 2016, revela a carta assinada pelo ministro da Economia, Luis de Guindos. "Em particular, vai incluir a meta do défice nominal de 2,2%", frisa a carta com data de 30 de Outubro.

O Executivo espanhol enviou para Bruxelas um esboço dos seus planos orçamentais para 2018 mas não assumiu qualquer medida nova de política económica, por ainda não ter Orçamento.

Em Setembro, o Governo espanhol decidiu não aprovar o Orçamento do Estado no Conselho de Ministros por não estar seguro dos apoios que teria no Parlamento, numa altura em que a crise da Catalunha já ameaçava a viabilização política do documento.

Na carta que seguiu na segunda-feira para Bruxelas, e que serve de resposta à primeira carta da Comissão, o Executivo espanhol reitera o compromisso de, "assim que as circunstâncias o permitirem, adoptar as medidas necessárias para assegurar o cumprimento do défice nominal de 2,2% do PIB em 2018".

Na mesma carta, o governo de Mariano Rajoy lembra que o draft do Orçamento enviado para Bruxelas foi elaborado num cenário de políticas inalteradas, ou seja, como se não houvesse nenhuma decisão nova além do que já é conhecido. Apesar disso, os pressupostos utilizados "são prudentes e incluem uma previsão de ligeira desaceleração da actividade no próximo ano".

Segundo a imprensa espanhola, o Orçamento final para 2018 já deverá ser entregue em 2018 – podendo a entrega acontecer em Fevereiro. A incerteza gerada pela situação na Catalunha poderá levar a economia vizinha a crescer 2,3% no próximo ano, abaixo dos 3,1% projectados para este ano. 

A Comissão Europeia enviou na sexta-feira cartas a alguns estados-membros onde pede mais informações sobre os planos orçamentais para 2018 ou clarificações sobre o risco de desvio significativo, como foi o caso da carta enviada a Portugal. Termina hoje o prazo para o Ministério das Finanças enviar resposta à Comissão Europeia. 




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Manuel Há 2 semanas

Baixem os salários para o nível dos portugueses quevão ver a redução. Ou então contratem o Rui Rio, que disse que se ele fosse PM, o défice era zero. O Rui Rio é muita bom. Pena é não jogar com o baralho todo. Só alguém que não bata bem da bola é que quer ser líder do PSD.

General Ciresp Há 2 semanas

Secalhar podemos dizer:ele nao tem fifias,nem e entregue de MADRUGADA.

pub