IVA Espanha promete baixar IVA dos jornais e livros electrónicos
IVA

Espanha promete baixar IVA dos jornais e livros electrónicos

Na passada semana Bruxelas formalizou uma proposta que permitirá aos Estados decidirem livremente o IVA a aplicar às publicações online e livros electrónicos. Espanha acaba de dizer que aproveitará para baixar a taxa.
Espanha promete baixar IVA dos jornais e livros electrónicos
João Cortesão/Correio da Manhã
Elisabete Miranda 06 de dezembro de 2016 às 17:48

O Governo espanhol vai baixar a taxa de IVA aplicável aos livros, jornais e outras publicações electrónicas, igualando a tributação à que é aplicável às publicações em papel. A promessa foi deixada esta terça-feira pelo ministro da Economia e fica reservada para quando os governos europeus derem o seu "ok" final à medida.

 

O anúncio foi feito aos jornalistas a partir de Bruxelas por Luis de Guindos, no final de uma reunião do Ecofin que também discutiu o novo pacote fiscal dirigido ao comércio electrónico apresentado recentemente pela Comissão Europeia.

 

Segundo os jornais espanhóis, o ministro da Economia garantiu que a sua intenção é de nivelar as taxas de IVA dos produtos digitais à dos produtos físicos e que o fará de uma assentada, sem qualquer faseamento, o que implicará uma redução da tributação dos actuais 21% (taxa normal) para os 4% (taxa reduzida). A transição para as novas taxas fica apenas à espera que o quadro legal seja formalmente aprovado pelos governos nacionais.

A possibilidade de aplicar uma taxa reduzida ao IVA dos "e-books" e outras publicações electrónicas foi entreaberta em Maio de 2015 e formalizada no final da semana passada pela Comissão Europeia no âmbito da revisão das regras do IVA para os serviços electrónicos, onde se determina que o imposto passe a ser cobrado no local do consumo. Entre as diversas medidas colocadas em cima da mesa, Bruxelas propôs que os Estados-membros passem a ter liberdade para fixarem a taxa de IVA aplicável a jornais e revistas online bem como a livros em suporte electrónico.

O IVA é o imposto mais centralizado a nível europeu e, actualmente, as regras obrigam a que estes serviços sejam taxas à taxa normal em vigor em cada País. Como a generalidade dos países europeus concede a taxa reduzida do IVA a estes produtos, em papel, ao longo dos últimos anos tem havido pressão para acabar com a discriminação dos serviços apenas em função do seu suporte. Países como a França chegaram mesmo a desafiar as regras europeias, que, passados alguns anos, parecem ceder aos argumentos. 

O Negócios já perguntou ao Ministério das Finanças como pretende posicionar-se uma vez aprovadas as novas regras, aguardando resposta. 




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Victor Manuel Mdiniz Diniz 06.12.2016

em Espanha vão descer, aqui no burgo dos parasita deve de ir subir, como o caso dos combustiveis são muito mais baratos em Espanha e França que neste quintal, temos que alimentar muitos parasitas.

Alvaro Natividade 06.12.2016

Risos sem nexo....o ppc já fez isto não foi...?

Joao Ramalheiro 06.12.2016

Lá vamos ter o senhor Costa a dizer que o nosso vizinho é lixado primeiro desceu a divida, a seguir foi o PIB, agora o IVA nos produtos electrónicos. Será que o senhor Costa ainda arranja alguma taxa. (risos)

pub
pub
pub
pub