Indústria Espanha trava crescimento das exportações têxteis

Espanha trava crescimento das exportações têxteis

Em Fevereiro, o maior cliente desta indústria reduziu as compras em quase 10%, imitando o recuo britânico. Com a Europa a dar sinais de fraqueza, os destinos extra-comunitários reconquistam relevância.
Espanha trava crescimento das exportações têxteis
Bloomberg
António Larguesa 10 de abril de 2017 às 14:32

As exportações da indústria têxtil e de vestuário recuaram 0,7% em Fevereiro, segundo os dados do INE compilados esta segunda-feira, 10 de Abril, pela principal associação do sector (ATP). São apenas três milhões de euros a menos do que em igual período do ano passado, para um total de 423 milhões, mas suficientes para interromper a progressão das vendas ao exterior, que em 2016 superaram a barreira dos cinco mil milhões de euros.

 

A "culpa" é dos espanhóis – os maiores clientes desta indústria, com uma quota de 32% –, que no segundo mês deste ano compraram menos 14 milhões de euros, num recuo homólogo que ficou próximo dos dois dígitos (-9,4%). Dos cinco melhores mercados, tal como acontecera em Janeiro, também o Reino Unido voltou a encolher as encomendas em um milhão de euros no mês anterior à formalização do Brexit, acumulando uma redução de 4% desde o arranque do ano.

 

A França e a Alemanha, que completam o pódio dos melhores mercados externos, contribuíram com aumentos ligeiros para os resultados de Fevereiro, em que os Estados Unidos se voltaram a destacar. Ao comprarem mais cinco milhões de euros à indústria nacional, os americanos fecharam os dois primeiros meses do ano com uma subida acumulada de 16%, o maior aumento em termos percentuais, consolidando a quinta posição no ranking dos melhores destinos.

 

A performance registada em Fevereiro confirmou assim o regresso dos EUA aos "bons velhos tempos" enquanto cliente deste sector, como classificado no mês anterior pelo presidente da ATP, Paulo Melo. E consolida outra tendência nestes primeiros dois meses do ano: os mercados extra-comunitários apresentaram "maior dinamismo" neste período, com um aumento absoluto de 13,4 milhões de euros (+11%), que compara com a subida de apenas 1%, equivalente a nove milhões de euros, nos destinos europeus.

 

Além dos EUA, no acumulado de Janeiro e Fevereiro, o destaque da associação dos empresários do têxtil e do vestuário vai para o crescimento das exportações registado nos seguintes destinos não comunitários: Angola (+1,4 milhões de euros; +30%) que "parece estar a recuperar da queda sofrida nos últimos anos", Canadá (+1,3 milhões de euros; +20%), Brasil (+1,2 milhões de euros; +119%) e Marrocos (+1,2 milhões de euros; +32%).




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Se neste mercado, que é o do têxtil, ocorreu um recuo de 9,4% da procura por algum motivo foi. Só no mercado laboral é que a lei portuguesa acha que pode decretar procura crescente para todo o factor trabalho oferecido na economia até aquele que já não é preciso para nada. É só por isso que Portugal vive de resgate em resgate.

pub
pub
pub
pub