Europa Espanha isenta de IRS rendimentos inferiores a 12 mil euros por ano

Espanha isenta de IRS rendimentos inferiores a 12 mil euros por ano

Rajoy anunciou várias medidas que visam tornar Espanha um país mais competitivo. Tanto empresários como trabalhadores vão pagar menos impostos. O Presidente do Governo espanhol congratulou-se com a gestão do seu Governo.
Espanha isenta de IRS rendimentos inferiores a 12 mil euros por ano
Reuters
David Santiago 25 de fevereiro de 2014 às 13:53

Os espanhóis vão pagar menos impostos. Este foi o principal anúncio feito pelo Presidente do Governo espanhol, Mariano Rajoy, no debate do Estado da Nação realizado esta terça-feira no parlamento espanhol. Uma das medidas mais importantes é a isenção de pagamento de IRS de todos os trabalhadores com salário bruto anual inferior a 12 mil euros.

 

A redução de impostos irá "beneficiar 12 milhões de contribuintes" a partir de 2015, garante Rajoy. O líder espanhol aproveitou os recentes indicadores positivos da economia espanhola para anunciar uma inversão na política do Governo, no sentido de privilegiar os cidadãos mais frágeis.

 

"Estamos em plena recuperação e o Governo está com os mais frágeis. É preciso potenciar os trabalhadores e por isso o Governo vai aprovar uma estratégia para o emprego", anunciou. Outras medidas de apoio aos cidadãos passa pelo aumento do apoio mínimo estatal por cada filho e "o mesmo para os ascendentes com incapacidade que vivem com o contribuinte", comprometeu-se Mariano Rajoy.

 

A partir de agora as contratações por tempo indeterminado vão ser sujeitas, apenas, ao pagamento de uma taxa fixa de 100 euros para a segurança social (menos 76% do que é pago actualmente), "desde que se trate de criação líquida de emprego”, esclareceu Rajoy. O "El País" explica que esta medida estará ao alcance de qualquer empresa, durante o período de 24 meses, e no caso da não manutenção do trabalhador em causa pelo prazo mínimo de três anos, a empresa tem de devolver o valor dos benefícios fiscais.

 

Aproveitando os dados avançados pela Comissão Europeia, que mostram a revisão em alta do PIB espanhol para 2014, para um crescimento de 1% este ano e 1,5% em 2015, Rajoy fez questão de anunciar que em 2014 Espanha registará, pela primeira vez desde o início da crise, "criação líquida de emprego".


"Espanha estava próxima do abismo" mas agora "passámos da queda à recuperação", disse Rajoy sublinhando que a estratégia de gestão do seu Governo "funcionou". Apesar das novidades se centrarem essencialmente "no objectivo de dar trabalho a quem não tem" o Chefe do Governo de Madrid quis reforçar a importância "de gastar apenas aquilo que temos" porque considera que "nada foi conseguido por acaso, mas devido às reformas implementadas".




A sua opinião16
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Viajante Há 14 horas

Aqui carregue-se em cima da classe média para que os ricos continuem cada vez mais ricos!

comentários mais recentes
Anónimo Há 7 horas

Isto é bom para os empresários que descontam o salário mínimo... agora é que vão mesmo ter tudo de borla...a classe média que pague o estado social...

Anónimo Há 8 horas

Os espanhóis é que sabem como se deve governar um País em austeridade equilibrada. Sugiro aos governantes portugueses que se submetam a umas acções de formação política ministradas pelos nossos amigos espanhóis. Certamente que terão muito a aprender e o povo português agradece...

anonimo Há 8 horas

Por cá fazem exatamente o contrario..Aumentam a carga fiscal em 50% e ROUBAM os reformados e cortam nos subsidios de desempregfo, nas baixas, nas pensões, no estado social, no SNS e na escola publica. Claro, como bons alunos da troyka. Filhos da p uta

Anónimo Há 9 horas

Vou mas é para Espanha. Aqui ganho cerca de 10mil a passar recibos verdes, quase não dá para meter despesas e lixam-me 25% à cabeça. Ladrões. Querem baixar o IRC mas é para as grandes empresas lucrarem mais, os pequenos continuam a ser lixados! Portugal república de ladrões, prefiro a monarquia!

ver mais comentários
pub