Finanças Públicas Esquerda afasta-se do Programa de Estabilidade
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

Esquerda afasta-se do Programa de Estabilidade

Programa de Estabilidade recebeu críticas de todos os partidos, com excepção do PS. Bloco, PCP e Verdes não querem estar vinculados às metas de Bruxelas e pediram garantias ao Governo. Centeno prometeu que Programa de Governo é para cumprir.
Esquerda afasta-se do Programa de Estabilidade
Miguel Baltazar/Negócios
Marta Moitinho Oliveira 20 de abril de 2017 às 00:01

O aviso chegou quase no fim: "Se este Programa [de Estabilidade] é para Bruxelas ver, não é para a esquerda ouvir". A frase é de Pedro Filipe Soares e resume o tom do debate desta quarta-feira no Parlamento. Bloco, PCP e Verdes

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais

A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 19.04.2017

O excedentário é pago com impostos e dívida pública com origem em credores externos. O sobrepagamento efectuado ao excedentário ainda lhe dá para aforrar e adquirir títulos de dívida junto do Estado. Depois o Estado cobra mais impostos e emite mais dívida junto de credores externos e títulos de tesouro para os excedentários, cada vez em maior número face às necessidades e cada vez mais sobrepagos por via de progressões e outros bónus, comprarem. De seguida vem eleição e o excedentário vota em quem promove o excedentarismo e endivida e taxa o resto da população para sustentar esta forma de pilhagem e extorsão continuada. De seguida entram os bancos cá do burgo. Concedem créditos de todos os tipos, formas e feitios aos excedentários e exigem ao governo mais excedentários para terem mais clientes a quem conceder mais crédito. Os juros sobem. Nova ronda de aumentos a pedido dos sindicatos dos excedentários e a pedido dos bancos. Bancarrota. Troika. Governo impopular por um mandato. Repete.

comentários mais recentes
pertinaz 20.04.2017

SÓ CONVERSA...

A ESQUERDALHA VAI ENGOLIR OS SAPOS QUE FOREM NECESSÁRIOS PARA MANTER O PODER

Anónimo 20.04.2017

Vais ver que aos direitolas como to lhes chamas é-lhes subtraído o dobro das contribuições e dos impostos sempre que investem, empreendem ou oferecem factor trabalho com real procura de mercado, por maior que ela seja, do que lhes era subtraído há 20 anos atrás porque o Estado não soube ser bom gestor e não soube em particular gerir bem os seus recursos humanos a par com a evolução tecnológica que se deu e a adopção generalizada das mais adequadas técnicas de gestão das organizações do Primeiro Mundo, enchendo-se de excedentários e blindando esses excedentários de tal maneira que os tornou a eles, e às organizações do sector público, em entidades à prova de avanço tecnológico, à prova de boa gestão lean e à prova de alterações de mercado feito de oferta e de procura. Tu ou outro excedentário sindicalizado de carreira, no activo ou já na reforma, és um ladrão, tão ladrão e parasita socioeconómico como qualquer corrupto ou bankster, seja ele da esquerda, do centro ou da direita.

Não é esquerda . . . é . . . 20.04.2017

Esquerda é o PSD, o CDS , estes sujeitos é Extrema Esquerda Radical Anarquista . . . habituem-se a chamar os bois pelos nomes !

Esquerda Volver 20.04.2017

Com afastamento ou não eu só sei que a nossa economia está a ficar otima. O desemprego baixou em Março cerca de 18% sendo agora medido por 1 dígito. A criação de empresas regressou aos valores dos anos 90. O consumo está a atingir níveis de 2009. As pessoas andam felizes, exceto os direitolas.

ver mais comentários
Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub
pub
pub
pub