Finanças Públicas Esquerda e direita querem forçar Centeno a travar cativações

Esquerda e direita querem forçar Centeno a travar cativações

BE, PCP, PSD e CDS admitem juntar votos durante as votações do orçamento para obrigar o ministro das Finanças a aliviar as cativações e a tornar o processo mais transparente.
Esquerda e direita querem forçar Centeno a travar cativações
Reuters
Negócios 05 de setembro de 2017 às 08:56

A esquerda (BE e PCP) admite vir a juntar-se à direita (PSD e CDS) durante as votações do orçamento do Estado para obrigar o Governo a aliviar a carga de cativações e para tornar o processo mais transparente.

Todos os partidos, à excepção do PS, concordam que Centeno carregou nas cativações para garantir o cumprimento das metas orçamentais e de acordo com o jornal Público (acesso pago) estão dispostos a conversar sobre o assunto e formar uma maioria capaz de alterar as regras durante o debate na especialidade do próximo orçamento do Estado.

"É obrigação do Governo reportar regularmente ao Parlamento a forma como estão a evoluir as cativações em cada área", afirmou em entrevista ao DN Jorge Costa, dirigente do Bloco, que a 7 de Julho perguntou ao Governo o que foi cativado, e em que serviços, e que ainda não obteve resposta.

"Sempre dissemos que havia um problema de transparência e que o volume das cativações, o dobro das de 2015, foi uma opção política", afirma Duarte Pacheco, do PSD.

"Do que tenho ouvido do BE e PCP, acho que é possível chegar a um acordo", admite Cecília Meireles, do CDS, acrescentando, em declarações ao diário: "Com a esquerda, só acredito vendo."

Uma das ideias é obrigar as Finanças a publicar informação mês a mês, como defendem PCP e CDS. Mas em cima da mesa está também uma redução do valor, considerado exagerado. O Bloco está a preparar uma proposta para impedir que um decreto do Governo (como o decreto de execução orçamental) possa aumentar as cativações face ao valor previsto no OE.

De acordo com a Unidade Técnica que presta apoio ao Parlamento, a UTAO, 2016 foi o ano em que houve maiores montantes cativados: 1746,2 milhões de euros.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Se fosse um particular a fazer cativacoes era um caloteiro. Que e o que o Centeno e. Mas esta e uma tecnica ja em uso pelo PS a muitos anos. O Marocas gastava como se nao houvesse amanha. O Guterres deixou uma factura pesada para quem veio a seguir. O Socas dizia que a divida nao era para pagar mas sim para gerir. O Centeno esconde uma divida monstra aos fornecedores de bens e servicos. Interessa e saber se estes mesmos credores tem que pagar ou nao os impostos ao estado devedor. Existe ou nao igualdade de tratamento? Se fosse com a dta aqui del rei que era a ditadura.

DJ viajante Há 2 semanas

Crescimento a custa de cortes a que se chama secar o pais no curto/medio prazo.....e o pais realmente ardeu....sera que alguem falou por linhas tortas? Pra geringonço analisar.

pub
pub
pub
pub