Política Esquerda melhor nas intenções de voto após autárquicas

Esquerda melhor nas intenções de voto após autárquicas

Os partidos que suportam o Governo estão a subir nas intenções de voto, apesar de nem todos os líderes verem a sua popularidade a subir.
Esquerda melhor nas intenções de voto após autárquicas
Vítor Mota/Correio da Manhã
Marta Moitinho Oliveira 13 de outubro de 2017 às 13:12

O PS, o Bloco de Esquerda e o PCP subiram nas intenções de voto na primeira sondagem depois das autárquicas e apesar de entre os parceiros que suportam o Governo apenas os socialistas terem saído vencedores nas eleições.

De acordo com os resultados do barómetro da Eurosondagem para o Expresso e para a SIC, as intenções de voto no PS sobem 0,7 pontos percentuais para 41%, o Bloco de Esquerda melhora 0,6 pontos percentuais para 9% e o PCP vê as intenções de voto subirem 0,2% para 7,5%.

Estes números revelam que as intenções de voto dos inquiridos nem sempre correspondem aos resultados do último acto eleitoral, onde PCP e BE não atingiram os objectivos.

Ainda assim, os inquiridos fazem uma avaliação diferente destes líderes. No caso do PS, António Costa vê a popularidade subir 1,6 pontos, mas Jerónimo de Sousa e Catarina Martins perdem popularidade (-1,6 pontos e -1,1 pontos, respectivamente).

À direita passa-se o mesmo. No caso do CDS, as intenções de voto mostram uma fotografia diferente da avaliação feita à popularidade.

Assunção Cristas vê a sua popularidade aumentar 1,6 pontos, mas as intenções de voto no CDS caem 0,8 pontos para 6%.

Já no caso do PSD, tanto o partido como Passos Coelho perdem nos dois indicadores. As intenções de voto no partido recuaram 0,7 pontos para 28% e o líder do partido vê a sua popularidade reduzir-se 3,6 pontos.

As eleições autárquicas aconteceram a 1 de Outubro e o inquérito para esta sondagem foi feito nos dias 4,6, 9, 10 e 11 de Outubro.

Além das autárquicas, há mais assuntos que poderão estar a influenciar a avaliação feita pelos inquiridos, tais como as notícias sobre o Orçamento do Estado e o anúncio de Passos Coelho de não se recandidatar à liderança do PSD.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Nem mais Sondador 13.10.2017

Mas acho que nem aos 20% essa escumalha dos mentirosos/ladrões de rendimentos do PUF vai ter.

SONDADOR 13.10.2017

ANONIMO, claro que as sondagens não batem certo. A realidade é que a direita (PSD+CDS) não ultrapassam os 25%. Mas até 2019 ainda vão baixar para 20%.

Anónimo 13.10.2017

Quando é que vou votar e não me pedem o número de eleitor? Posso ter algum problema na boca nesse dia, ou algo do género. Se há problema ordenem as listas por número de cartão do cidadão.

Bonito 13.10.2017

Força Geringonça, direitolas NUNCA MAIS