Economia Estado assume dívida de 130 milhões do grupo de Aprígio Santos

Estado assume dívida de 130 milhões do grupo de Aprígio Santos

Dívida do empresário português, que é também presidente do clube Naval 1º de Maio, da Figueira da Foz, passou do BPN para a empresa estatal Parvalorem, mas Aprígio Santos garantiu ao "Correio da Manhã" que o grupo tem "bons activos" para pagar o que deve.
Negócios 28 de maio de 2012 às 10:33
O Estado assumiu, através da Parvalorem, a dívida bancária que o grupo empresarial de Aprígio Santos (presidente do clube Naval 1º de Maio) tinha com o BPN e que, segundo o "Correio da Manhã", chega a 130 milhões de euros.

O empresário confirmou a existência de uma dívida, mas não o montante, tendo indicado desconhecer se o crédito passou ou não para a Parvalorem, a empresa criada pelo Estado para ficar com os créditos de difícil cobrança do Banco Português de Negócios (BPN).

Mas Aprígio Santos diz também ser credor do BPN. "O grupo de empresas tinha créditos do BPN e tem créditos do BPN. O grupo de empresas tem uma acção em tribunal contra o BPN de grande montante", declarou o empresário.

Aprígio Santos assegurou ainda que as dívidas estão "tuteladas por terrenos hipotecados". "Ninguém paga as minhas dívidas por mim. Somos um grupo familiar grande com bons activos", sublinhou o empresário ao "Correio da Manhã".



A sua opinião26
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Zé Curioso 28.05.2012

Se o Estado assumiu a dívida deste grupo ao assumir o BPN, é altura das Finanças assumirem o património deste Grupo para garantir o pagamento da dívida! Já!

comentários mais recentes
F. Melro 30.05.2012

Lá vai uma, lá vão duas, três pombinhas a voar, uma é tua, outra é minha, outra é de quem a agarrar.
Tenho dito!

Zé Unha 30.05.2012

"Grupo familiar grande com bons activos"...deve pensar que os funcionários são todos da sua familia e por isso não é preciso pagar os seus salários e subsidios...se calhar é melhor pintar a frota de mercedes todos de preto fosco pra ver se passa despercebido,sem esquecer o aviãozinho! Mas o que vale ao zé é que tá a chegar o verão e até ver o sol n se paga. A não ser que o Zé vá apanhar sol às Piscinas Mar...já agora será q tem pago o aluguer à Figueira Grande Turismo?!?!?...uhm se calhar paga em copos...

carla 29.05.2012

Isto é o cúmulo! Mas será que a vergonha se perdeu de vez?
Indignação, é o que sinto... a Figueia da Foz não tem trabalho, anda tudo ao Deus dará, e depois perdoam dívidas a este tipo de gente?!?
Vão dar uma volta!!!

Anónimo 28.05.2012

O estado até podia penhorar os bens, se eles existissem .....

So estranha quem já não conhece as vigarices do senhor....

Dos terrenos da Zona Industrial da Figueira, ao negocio fraudulento dos camiões que alugava a CMFF para a recolha do lixo... Uma vida de vigarice que parece que vai continuar.... Tem bons activos ...... Ninguém sabe é onde.... Nem o estado... Enfim....

ver mais comentários