Cultura Estado exerce direito de opção e compra quadros de Vieira da Silva por 5,6 milhões

Estado exerce direito de opção e compra quadros de Vieira da Silva por 5,6 milhões

O Estado exerceu a opção de compra de seis quadros de Vieira da Silva pelo montante de 5,6 milhões de euros.
Estado exerce direito de opção e compra quadros de Vieira da Silva por 5,6 milhões
Bruno Simão/Negócios
Lusa 07 de setembro de 2017 às 14:19
O Governo aprovou esta quinta-feira, 7 de Setembro, em Conselho de Ministros, a compra, pela Direção-Geral do Património Cultural, de seis obras da pintora Maria Helena Vieira da Silva, pelo valor global de 5.584.170 de euros.

"O Estado exerce assim o direito de opção de compra, previsto no protocolo celebrado entre o Estado Português, a Fundação Arpad Szènes - Vieira da Silva e os herdeiros do colecionador Jorge de Brito, em 9 de Agosto de 2011, decisão que vem assegurar a manutenção no país e fruição pública das obras de uma das mais consagradas artistas nacionais", lê-se no comunicado distribuído no final da reunião do Governo.

Numa audição parlamentar, realizada no passado mês de Março, o ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes (na foto), garantiu que o Estado estava "decidido a exercer o poder de compra sobre o acervo de Vieira da Silva", adiantando então que a negociação decorria entre o Ministério das Finanças e os herdeiros do colecionador Jorge de Brito, proprietários das obras.

As seis pinturas em causa - "Novembre" (1958), "La Mer" (1961), "Au fur et à mesure" (1965), "L'Esplanade" (1967), "New Amsterdam I" e "New Amsterdam II" (1970) - estão expostas em conjunto, no Museu Arpad Szènes - Vieira da Silva, em Lisboa.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar