Emprego Estado fecha 2016 a pagar menos 35 mil prestações de desemprego

Estado fecha 2016 a pagar menos 35 mil prestações de desemprego

Em Dezembro passado, foram registados 224.489 beneficiários de prestações de desemprego, o que significa que recebiam estas prestações cerca de menos 1.000 pessoas do que as 225.502 registadas em Novembro.
Estado fecha 2016 a pagar menos 35 mil prestações de desemprego
Lusa 20 de janeiro de 2017 às 17:49
O Estado atribuía no final de 2016 menos cerca de 35 mil prestações de desemprego do que no início do ano, segundo dados disponibilizados na página da Segurança Social na internet.

Em Dezembro passado, foram registados 224.489 beneficiários de prestações de desemprego, o que significa que recebiam estas prestações cerca de menos 1.000 pessoas do que as 225.502 registadas em Novembro.

Já face a Dezembro do ano passado a redução é de quase 35 mil beneficiários, uma vez que então receberam prestações de desemprego 259.335 pessoas.

Já em relação a Janeiro deste ano -- quando recebiam a prestação 260.986 cidadãos -- a redução supera os 36 mil.

Quanto ao subsídio social de desemprego inicial, em Dezembro registaram-se 11.446 beneficiários, menos 930 do que em Novembro e menos 1.686 do que em Dezembro de 2015.

Já o número de beneficiários do subsídio social de desemprego subsequente foi de 34.817, o que corresponde a uma redução de 1.110 face a Novembro de 2016 e de 8.656 face a Dezembro de 2015.

Em Dezembro de 2016 foi ainda atribuída a 3.214 beneficiários a prestação de Apoio aos Desempregados de Longa Duração, mais 149 do que em Novembro, o que mantém a tendência de subida do número de beneficiários desta prestação.

No início de Dezembro, o Instituto Nacional de Estatística (INE) divulgou que a taxa de desemprego situou-se nos 10,5% em Novembro de 2016, segundo a estimativa provisória, o que significa que havia em Portugal 534,3 mil pessoas activas desempregadas.



A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Luis Melo Há 1 semana

Jornalistas do regime. 35000 querem dizer que o governo criou 35000 empregos. Agora já não saem do país. Qto pagam os socialistas a estes jornalistas?

José Luís Jacinto Jorge Há 1 semana

Para o PS... foi a criaçao de 35000 empregos... na realidade foi... o fim de subsidio de desemprego... e por fim o mais certo é estes 35.000 emigrarem e descontarem noutro país... quando a soluçao seria nao subir os ordenados do estado e usar o dinheiro para integracao temporaria

Anónimo Há 1 semana

Todos cortes no estado doram revertidos!
Como desempregados são todos do privado o corte de 10% do subsidio que resulta de descontos para o estado continua cortado! Porquê? O desempregafo do privado tem que manter as 35 horas no estado ???

Luis Morgado Há 1 semana

Desemprego sem direito a subsídio , não deixa de ser desemprego !! Mas não aparece na estatística .

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub