Finanças Públicas Estado gastou 3.760 milhões em subvenções públicas em 2015

Estado gastou 3.760 milhões em subvenções públicas em 2015

O Estado concedeu subvenções públicas a quase 47.700 beneficiários, totalizando 3.760 milhões de euros, menos 620 milhões de euros e 2.245 entidades do que no ano anterior, segundo um relatório divulgado esta quinta-feira pela Inspeção-Geral de Finanças (IGF).
Estado gastou 3.760 milhões em subvenções públicas em 2015
Reuters
Lusa 02 de fevereiro de 2017 às 18:16

De acordo com o relatório de monitorização destes apoios públicos divulgado esta quinta-feira, 2 de Fevereiro, o Estado concedeu este ano subvenções, benefícios e outros apoios financeiros a 47.694 entidades (menos do que os 49.939 beneficiários de 2014), num total de 3.760 milhões de euros (abaixo dos 4.380 milhões de euros gastos no ano anterior).

 

A IGF justifica "parte significativa" desta diferença nas subvenções atribuídas entre os dois anos pelo facto de o IAPMEI - Agência para a Competitividade e Inovação não ter reportado à entidade "nos moldes previstos, e diferentemente do que sucedeu no ano anterior" apoios no valor de 534 milhões de euros.

 

"Caso se excluam os montantes atribuídos a título de garantias pessoais, de doações e cedências de património e de isenções e outros benefícios fiscais não automáticos, ou seja, situações em que não se verificou um fluxo monetário, o total reduz para 3.478 milhões de euros, o que representa 4% da despesa consolidada do Estado e cerca de 2% do produto interno bruto (PIB) previsto para 2015", afirma a entidade liderada por Vítor Braz.

 

Por tipologia de subvenções e benefícios públicos, mantêm-se como predominantes em 2015, à semelhança de anos anteriores, as transferências correntes e de capital (2.451 milhões de euros), seguidas dos apoios de natureza comunitária (618 milhões de euros).

 

A companhia aérea SATA foi a maior beneficiária de transferências correntes e de capital do Estado em 2015, tendo recebido 31,8 milhões de euros, seguido do grupo de escolas privadas GPS, que recebeu 25 milhões de euros, e, em terceiro lugar, a Cruz Vermelha Portugal, que recebeu 15,1 milhões de euros.

 

A Escola Nacional de Bombeiros (que recebe 14,5 milhões de euros), as entidades de ensino particular Grupo Salesianos (10,6 milhões de euros) e a Associação de Jardins Escola João de Deus (9,9 milhões de euros) também estão entre os seis que mais beneficiaram de subvenções públicas em 2015.

 

No que diz respeito à atribuição de apoios comunitários, os Serviços Municipalizados de Água, Saneamento e Piscinas de Viseu foram os que mais receberam (16,1 milhões de euros), seguidos das Águas do Alentejo (9,8 milhões de euros) e das Águas do Noroeste (8,6 milhões de euros).

 

Já na categoria 'outros apoios e benefícios' (que inclui, entre outros, subsídios na área do desemprego, desporto, financiamento de deslocações aéreas e bonificação de juros), a Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural (EGEAC) foi a que mais recebeu (8,7 milhões), seguida da ATEC -- Associação de Formação para a Indústria (7,3 milhões de euros), do Club Sport Marítimo (6,1 milhões de euros) e da Caixa Geral de Depósitos (4,7 milhões de euros).




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Os partidos quando se trate de zelar pelos seus interesses nunca se pronunciam. Faz sentido que esta gente nos cobre tanto dinheiro quando há tanta gente que podia ficar um pouco melhor. Este dinheiro deveria ser entregue às instituições que praticam o bem com os mais carenciados. F. P hão-de morrer sofrendo por receberam aquilo que não lhes pertence.ESTA GENTE DEVERIA BORRAR A CARA C MERDA DE CÃO.

bandido Há 2 semanas

E vergonhoso mas nao surpreendente:so vai para a politica quem nao sabe fazer mais nada,acaba o tempo da politica e continuam a nao saber fazer nada,como nao auferem salario aladronado do barracao parlamentar inventaram a esmola cujo nome e SUBVENCAO para fugir aos nervos do mais pequenos.1 rajada.

pub