Política Estados Unidos impõem novas sanções a empresas norte-coreanas e chinesas

Estados Unidos impõem novas sanções a empresas norte-coreanas e chinesas

Os Estados Unidos impuseram novas sanções específicas contra 13 empresas e entidades norte-coreanas e também chinesas, para aumentar a pressão contra as ambições nucleares da Coreia do Norte, anunciou o Tesouro norte-americano.
Estados Unidos impõem novas sanções a empresas norte-coreanas e chinesas
Lusa 21 de novembro de 2017 às 21:50

O Presidente norte-americano, Donald Trump, designou a Coreia do Norte na segunda-feira como "Estado apoiante do terrorismo" e prometeu novas medidas punitivas iminentes para isolar o regime de Kim Jong-un e o forçar a conversações.

 

As sanções adoptadas esta terça-feira visam particularmente as empresas "que fazem do comércio com a Coreia do Norte lucros que atingem centenas de milhões de dólares", disse o secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Steve Mnuchin, em comunicado.

 

As empresas são quatro sociedades de importação e exportação chinesas, assim como o proprietário de uma delas, igualmente chinês, que exporta para a Coreia do Norte, entre outros produtos, veículos motorizados ou "artigos associados a reactores nucleares".

 

De acordo com Steve Mnuchin, esta última empresa tem também sido associada a empresas relacionadas ao fabrico de armas de destruição em massa na Coreia do Norte.

 

Do lado norte-coreano, as novas sanções destinam-se a administrações, agências e empresas envolvidas no transporte marítimo, envolvidas nas estratégias do regime para contornar as sanções internacionais impostas pelo Conselho de Segurança da ONU.

 

A Corporação de Cooperação Sul-Sul da Coreia, uma entidade que "exporta" os trabalhadores da Coreia do Norte, em particular para a China, Rússia, Camboja e Polónia, para "gerar receitas" para o regime, está na lista das sanções dos Estados Unidos, que se juntam às da ONU.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub