Economia Estas são as 20 cidades mais caras do mundo

Estas são as 20 cidades mais caras do mundo

O ranking da revista The Economist coloca duas cidades asiáticas no top 3 das mais caras do planeta. Lisboa está menos cara. Confira aqui a lista das cidades mais dispendiosas do planeta.
REUTERS REUTERS REUTERS REUTERS REUTERS REUTERS REUTERS REUTERS Reuters REUTERS REUTERS REUTERS Reuters REUTERS REUTERS REUTERS REUTERS REUTERS REUTERS REUTERS
Negócios 11 de março de 2016 às 20:45

Singapura mantém-se pelo terceiro ano consecutivo como a cidade mais cara do mundo e Londres entrou em 2016 no top 10. De acordo com o ranking da Economist Intelligence Unit (do The Economist), conhecido esta quinta-feira 10 de Março, cinco das dez metrópoles onde é mais caro viver ficam na Europa, mas as cidades asiáticas ganham caminho.

Só chinesas (ou de administração autónoma), são três – Hong Kong, Xangai e Schenzhen – entre as 20 principais, a que se juntam também duas japonesas (Tóquio e Osaka). O top 20 é fechado pela australiana Sydney.


Metade das dez cidades mais caras fica na Europa, apesar de a desvalorização do euro ter feito estragos em algumas das integrantes, a acrescentar à queda dos preços da energia. Lisboa, a par com Atenas, está menos dispendiosa do que há um ano.

A capital portuguesa aparece longe dos primeiros tops, no 84.º lugar, a par com Atenas. E mais barata que no ano passado, passando de cerca de 75 para os 63 pontos, num índice que toma o custo de vida de Nova Iorque com base 100.

Lisboa é, ainda assim, mais cara do que cidades como Varsóvia (Polónia), Koweit, São Paulo ou Rio de Janeiro.

O relatório "Custo de Vida Mundial" é desenvolvido duas vezes por ano e compara mais de 50 mil preços de produtos ou serviços. Os dados divulgados esta semana respeitam a Setembro de 2015.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub