Desporto Eto’o arrisca 10 anos de prisão em Espanha por fraude fiscal

Eto’o arrisca 10 anos de prisão em Espanha por fraude fiscal

O avançado camaronês está a ser acusado de quatro crimes fiscais. O Ministério Público espanhol pede uma pena de prisão de dez anos e meio e uma multa de 14 milhões de euros.
Eto’o arrisca 10 anos de prisão em Espanha por fraude fiscal
Reuters
Sara Antunes 24 de Novembro de 2016 às 11:14

Samuel Eto’o está a ser acusado pelo Ministério Público espanhol de ter lesado o Estado em quase 3,5 milhões de euros, durante a sua passagem pelo Barcelo, clube que representou entre 2006 e 2009, revela o El País esta quinta-feira, 24 de Novembro.

 

O Ministério Público está assim a pedir que o jogador camaronês cumpra uma pena de prisão de dez anos e meio e pague uma multa superior a 14 milhões de euros por quatro crimes fiscais.

 

Em causa estão os direitos de imagem do jogador. O jogador terá simulado a concessão dos direitos de imagem a duas empresas, uma espanhola e outra húngara, o que levou a que as receitas fiscais que deveriam ter sido cobradas pelo Fisco espanhol pelo contrato milionário que Eto’o tinha com a Puma foram muito inferiores ao que deveria ter acontecido.

 

O processo que está a ser conduzido em Espanha aponta para que o camaronês tenha recebido entre 1,5 e 3,0 milhões de euros da Puma por cada temporada no Barcelona. O Ministério Público acusa assim o avançado de ter defraudado o Fisco em 3,46 milhões de euros.


Em dois dias este é o segundo processo contra um jogador de futebol do Barcelona.

 

Na quarta-feira, 23 de Novembro, avançou com um processo contra o avançado Neymar, por alegadamente ter participado num caso de corrupção no âmbito da sua transferência do clube brasileiro Santos para o Barcelona.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub