Economia EUA: 16 procuradores-gerais dos Estados Unidos condenam decreto anti-imigração

EUA: 16 procuradores-gerais dos Estados Unidos condenam decreto anti-imigração

Os procuradores-gerais de 16 estados federados, em representação de perto de um terço da população norte-americana, condenaram este domingo o decreto anti-imigração do Presidente Donald Trump, que prometeram "combater com todos os meios disponíveis".
EUA: 16 procuradores-gerais dos Estados Unidos condenam decreto anti-imigração
Lusa 29 de janeiro de 2017 às 22:48

"Condenamos o decreto do Presidente Trump, que é contrário à Constituição, aos valores da América e ilegal, e vamos trabalhar em conjunto para garantir que o governo federal obedece à Constituição, respeita a nossa história de nação fundada sobre a imigração e não visa ninguém apenas por causa da sua nacionalidade ou da sua fé", afirmaram os 16 procuradores democratas, em comunicado.

 

Ao lembrar que vários juízes já bloquearam uma parte do decreto, os 16 procuradores-gerais ('attorney general') prometeram fazer tudo ao seu alcance "para preservar a segurança nacional e os valores fundamentais" dos Estados Unidos.

 

Os procuradores-gerais afirmaram estar convencidos de que o decreto será anulado pela Justiça, e prometeram, enquanto esperam essa decisão, actuar de maneira "a que o menor número possível de pessoas sofra com a situação caótica que causou".

 

Além do procurador-geral do Estado do Illinois (centro), que tomou a iniciativa desta declaração, assinaram-na os representantes da Califórnia, Connecticut, Distrito de Columbia (capital), Hawai, Iowa, Maine, Maryland, Massachusetts, Novo México, Nova Iorque, Oregon, Pensilvânia, Vermont, Virgínia e Washington.

 

Na sexta-feira, o Presidente norte-americano, Donald Trump, assinou um decreto que impõe restições de entrada nos Estados Unidos a refugiados e imigrantes oriundos de sete países: Irão, Iraque, Síria, Líbia, Somália, Sudão e Iémen. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Pricemt Há 3 semanas

No dia international que lembra ao mundo o holocausto que matou 6 milhões de judeus, a Casa Branca não fez uma única menção aos judeus, referindo-se genericamente, às vítimas do nazismo. Questionada sobre a inaudita omissão, a Casa Branca disse que a não referência se devia ao facto de não querer ofender outras vitimas como padres, deficientes, comunistas, anarquistas...
Se os Republicanos não tomarem partido no combate a esta medida, que nos faz recuar ao anti-semitismo nazi, "shame on you"

pub
pub
pub
pub