Política EUA admitem voltar a considerar Coreia do Norte patrocinador de terrorismo

EUA admitem voltar a considerar Coreia do Norte patrocinador de terrorismo

O secretário de Estado norte-americano, Rex Tillerson, disse que os Estados Unidos admitem a possibilidade de voltar a colocar a Coreia do Norte na lista de patrocinadores de terrorismo, da qual o regime de Pyongyang saiu em 2008.
EUA admitem voltar a considerar Coreia do Norte patrocinador de terrorismo
Reuters
Lusa 20 de abril de 2017 às 00:41

"Estamos a rever o estatuto da Coreia do Norte, quer como patrocinador de terrorismo quer por outro tipo de vias, para aumentar a pressão para que o regime de Pyongyang volte a envolver-se" num diálogo, indicou Tillerson, numa conferência de imprensa.

 

Apesar da intenção de dialogar com o regime norte-coreano, liderado por Kim Jong-un, Tillerson comentou que a administração do Presidente dos EUA, Donald Trump, quer fazê-lo "de uma forma diferente da maneira como se fizeram as conversações no passado".

 

Os Estados Unidos retiraram a Coreia do Norte da lista de patrocinadores do terrorismo, em que estão o Irão, a Síria e o Sudão, em 2008, durante a presidência do republicano George W. Bush.

 

O fim da designação da Pyongyang como Estado patrocinador do terrorismo resultou de negociações entre a Rússia, os Estados Unidos, o Japão, a China e as duas Coreias, para pôr um ao programa atómico militar daquele país.

 

A Coreia do Norte comprometeu-se a desmantelar a central nuclear de Yongbyon, mas em 2009 deu por terminadas as conclusões e lançou um foguete espacial com tecnologia que poderia ser usada para um míssil de longo alcance, o que provocou a condenação do Conselho de Segurança das Nações Unidas e o regresso ao isolamento diplomático.

 

Com a chegada de Trump à Casa Branca, em Janeiro passado, a Coreia do Norte regressou à sua táctica de provocações com mísseis, enquanto Washington pediu a ajuda da China para levar Pyongyang de volta à mesa de negociações, sem descartar a possibilidade de uma ação militar.

 

A Coreia do Norte, pela sua parte, poderá estar a preparar o seu sétimo teste nuclear subterrâneo, o que frustraria a possibilidade de retoma do diálogo.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub