Defesa EUA confirmam que míssil de Pyongyang era intercontinental e pedem reunião urgente à ONU

EUA confirmam que míssil de Pyongyang era intercontinental e pedem reunião urgente à ONU

O míssil balístico norte-coreano voou mais tempo do que qualquer outra prova de mísseis realizada até agora, um total de 37 minutos, o que implica que o regime de Kim Jong-un poderia ter a capacidade de atacar o Alasca.
EUA confirmam que míssil de Pyongyang era intercontinental e pedem reunião urgente à ONU
Lusa 05 de julho de 2017 às 00:13

A embaixadora dos Estados Unidos nas Nações Unidas, Nikki Haley, solicitou uma reunião urgente ao Conselho de Segurança, para esta quarta-feira, para discutir o lançamento de mais um míssil balístico intercontinental pela Coreia do Norte.

 

O pedido foi comunicado no Twitter pelo porta-voz da Missão dos Estados Unidos na ONU, Jonathan Bachtel, que adiantou que Haley também solicitou ao embaixador chinês junto da ONU, Liu Jieyi, que este mês preside ao Conselho de Segurança, que mantenha essa sessão de emergência "aberta".

 

Os Estados Unidos confirmaram na terça-feira que o projéctil lançado segunda-feira pela Coreia do Norte foi um míssil balístico intercontinental, o primeiro com estas características que Pyongyang logra lançar com êxito.

 

O míssil balístico voou mais tempo do que qualquer outra prova de mísseis realizada até agora, um total de 37 minutos, o que implica que o regime de Kim Jong-un poderia ter a capacidade de atacar o Alasca.

Entretanto, o secretário de Estado norte-americano, Rex Tillerson, denunciou "a nova escalada da ameaça" norte-coreana e lembrou que os Estados Unidos "jamais aceitarão" a ameaça de "uma Coreia do Norte com armas nucleares".

 

"Os Estados Unidos condenam veementemente o lançamento pela Coreia do Norte de um míssil intercontinental" e alertam para o facto de o míssil poder levar uma ogiva nuclear, salienta no mesmo comunicado.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub