Emprego EUA criam 200 mil empregos e salários crescem ao ritmo mais elevado desde 2009

EUA criam 200 mil empregos e salários crescem ao ritmo mais elevado desde 2009

A maior economia do mundo caminha para o pleno emprego, abrindo caminho para a Reserva Federal continuar a subir os juros.
EUA criam 200 mil empregos e salários crescem ao ritmo mais elevado desde 2009
Nuno Carregueiro 02 de fevereiro de 2018 às 13:45

A economia norte-americana criou 200 mil empregos em Janeiro, um número que superou as estimativas dos economistas, que apontavam para 180 mil novos postos de trabalho.

 

A taxa de desemprego permaneceu em 4,1%, o que representa o nível mais baixo desde 2000. E os salários cresceram 2,9% em termos homólogos, o que representa o ritmo mais forte desde Junho de 2009.

 

A Bloomberg diz que estes números revelados pelo Departamento do Trabalho indicam que a economia norte-americana está próxima do pleno emprego, que é uma das metas da Reserva Federal, que assim fica com caminho aberto para continuar a subir os juros. Na reunião desta semana o banco central adiantou que também a inflação deverá continuar a subir, sinalizando que o próximo aumento da taxa de referência deverá ocorrer já em Março.

 

O aumento acentuado dos salários também reforça a tese de aumento dos juros na maior economia do mundo, já que a remuneração dos trabalhadores tinha, até aqui, mostrado fracos sinais de aceleração apesar do bom ritmo de crescimento da economia.

 

No ano passado, que coincide com o primeiro do mandato de Donald Trump, a economia norte-americana criou 2,17 milhões de empregos (o menor valor desde 2010). Em 2016, quando Obama era o presidente, foram criados 2,34 milhões de postos de trabalho.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.