Américas EUA expulsam 15 diplomatas cubanos

EUA expulsam 15 diplomatas cubanos

A saída, que deverá ocorrer nos próximos sete dias, é justificada com a dificuldade manifestada das autoridades cubanas em garantir a segurança do pessoal diplomático dos EUA em Havana depois de alegados ataques "misteriosos".
EUA expulsam 15 diplomatas cubanos
Reuters
Paulo Zacarias Gomes 03 de outubro de 2017 às 16:46
Os Estados Unidos ordenaram esta terça-feira, 3 de Outubro, a expulsão do território norte-americano de 15 diplomatas que prestam serviço na embaixada de Cuba em Washington.

A decisão da administração Trump segue-se à retirada de metade do pessoal diplomático dos EUA da embaixada de Havana, levada a cabo na semana passada depois de acusações das autoridades norte-americanas sobre alegados ataques "misteriosos" que afectaram a saúde dos diplomatas dos EUA.

O Departamento de Estado, em comunicado, justifica a decisão com a dificuldade manifestada pelas autoridades cubanas em proteger o pessoal da embaixada norte-americana no país "de acordo com as suas obrigações ao abrigo da Convenção de Viena." Washington dá sete dias para que Havana retire o pessoal diplomático abrangido.

Em causa estão situações ocorridas em Dezembro passado e que afectaram diplomatas norte-americanos e familiares que frequentam a embaixada em Havana, causando sintomas como perda de audição, tonturas, bem como problemas visuais e equilíbrio. Também há relatos de indivíduos que reportaram dores de cabeça, fadiga e dificuldades em dormir. Sem origem identificada, as autoridades dos EUA suspeitam que possam estar relacionados com um dispositivo sónico, uma toxina ou um vírus.

A ordem de expulsão é mais um passo levado a cabo pela nova administração norte-americana em contramão com as decisões tomadas pelo antecessor na Casa Branca, Barack Obama, que reaproximou EUA e Cuba ao fim de décadas de afastamento iniciado durante a Guerra Fria. 

O Departamento de Estado frisa no entanto que a decisão não significa que os EUA atribuam os "ataques" às autoridades cubanas: "Continuamos a manter relações diplomáticas com Cuba e continuaremos a cooperar com Cuba enquanto prosseguimos na investigação a estes ataques," afirmou o secretário de Estado Rex Tillerson, citado pelo The New York Times.



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
fcj 03.10.2017

Resta aos cubanos convidar mais 15 diplomatas chineses e outros tantos Russos... Qual o problema?