Américas EUA impõem novas sanções a empresários e empresas russas por anexação da Crimeia

EUA impõem novas sanções a empresários e empresas russas por anexação da Crimeia

O Departamento do Tesouro também sancionou oito empresas, algumas delas públicas, por operarem na Crimeia.
EUA impõem novas sanções a empresários e empresas russas por anexação da Crimeia
Lusa 21 de dezembro de 2016 às 07:08

O Departamento do Tesouro dos Estados Unidos aprovou esta quarta-feira, 21 de Dezembro, novas sanções económicas a seis banqueiros, um empresário e oito empresas russas pelo seu papel no conflito da Ucrânia e pela anexação da península da Crimeia.

 

A decisão foi tomada quando falta um mês para Barack Obama deixar de ser Presidente dos Estados Unidos e ser substituído por Donald Trump, cujo secretário de Estado, Rex Tillerson, tem relações com o Kremlin e é contra a imposição de sanções a pessoas e empresas russas.

 

Os seis banqueiros sancionados hoje são directores do Banco Rossiya ou das suas filiais ABR Management e Sobinbank. Os Estados Unidos já tinham sancionado anteriormente esta entidade bancária.

 

O empresário visado nas sanções, Yevgeniy Prigozhin, é um contratante do Ministério da Defesa russo e uma empresa com a qual tem "relações estreitas" está encarregada da construção de uma base militar perto da fronteira com a Ucrânia, de acordo com os Estados Unidos.

 

O Departamento do Tesouro também sancionou oito empresas, algumas delas públicas, por operarem na Crimeia.

 

As sanções proíbem indivíduos ou empresas norte-americanas de fazerem negócios com as pessoas ou empresas sancionadas.

 

Os Estados Unidos também impuseram sanções menores a várias subsidiárias do gigante do gás Novatek e do Banco Agrícola Russo.

 

A decisão de Obama chega numa altura de tensão entre os Estados Unidos e a Rússia depois de nos últimos dias diversas agências de informação norte-americanas terem considerado provado que o Kremlin tentou interferir, através de pirataria informática, nas eleições para a Casa Branca, com o objectivo de favorecer Trump.

 

A União Europeia, por sua vez, prolongou na segunda-feira por oito meses as sanções económicas impostas à Rússia pelo seu papel na crise separatista no leste da Ucrânia, que agora seguem até 31 de Julho de 2017, altura em que cumprirão três anos.


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub