Américas EUA perderam rasto a mil milhões em armas que foram parar a extremistas

EUA perderam rasto a mil milhões em armas que foram parar a extremistas

As Forças Armadas norte-americanas perderam o rasto a armamento de valor superior a 900 milhões de euros no Iraque e no Kuwait, parte do qual estará nas mãos de extremistas, segundo um relatório da Amnistia Internacional.
EUA perderam rasto a mil milhões em armas que foram parar a extremistas
Bloomberg
Lusa 24 de maio de 2017 às 07:44
Num inquérito realizado em 2016 pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos que até agora era classificado, afirma-se que faltam "registos exactos e actualizados sobre as quantidade e localização" de equipamento que os norte-americanos mandaram para abastecer o Exército iraquiano.

Essa conclusão é especialmente preocupante dada a "longa história de fuga de armas norte-americanas para vários grupos armados que cometem atrocidades no Iraque, incluindo o auto-denominado Estado Islâmico", apontou o investigador Patrick Wilcken, da Amnistia Internacional, no relatório hoje divulgado.

As armas, enviadas no âmbito da cooperação entre os Estados Unidos e o Iraque, destinavam-se a equipar o Exército iraquiano e os combatentes curdos das forças Peshmerga na luta contra o grupo extremista Estado Islâmico.

Incluíam dezenas de milhares de espingardas automáticas, centenas de munições de morteiro e veículos blindados.

As Forças Armadas norte-americanas responderam ao inquérito dizendo que iam apertar os controlos de transferências futuras, a mesma resposta que já tinham dado ao Congresso em 2007, quando surgiram preocupações semelhantes.

"Depois de tanto tempo e tantos avisos, repetem-se os mesmos problemas. Isto devia ser um alerta para os Estados Unidos e para todos os países que enviam armas para o Iraque. Mandar milhões de dólares de armas para dentro de um buraco negro e esperar que corra pelo melhor não é uma estratégia de contra-terrorismo viável, é apenas imprudente", afirmou Patrick Wilcken.

Entre os problemas encontrados pelo Departamento de Defesa estão registos incompletos, confusos e fragmentados, às vezes escritos à mão em papéis a que se perde o rasto.

No inquérito também se assinala que o Departamento de Defesa não se responsabilizava por manter registos sobre as armas depois de entregues, apesar de ter um programa especial para o fazer.

"Qualquer país que venda armas ao Iraque tem que mostrar que há medidas rigorosas aplicadas para garantir que as armas não são usadas na violação de direitos humanos. Sem esta salvaguarda, não devem mandar quaisquer armas", defendeu Wilcken.

A Amnistia Internacional apela aos Estados Unidos para que cumpram a sua própria lei, que determina que o Departamento de Defesa não pode fornecer armas a unidades militares, policiais ou de segurança que tenham cometido violações de direitos humanos.



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Camponio da beira 24.05.2017

As armas terão sido "roubadas" em dia e hora devidamente combinada entre as partes.

pub