Ásia EUA prontos a atacar Coreia do Norte em caso de teste de arma nuclear

EUA prontos a atacar Coreia do Norte em caso de teste de arma nuclear

Fontes militares disseram à NBC News que a capacidade militar está no terreno e pronta a responder caso Pyongyang ouse premir o gatilho nuclear. A China pede "diálogo" e a Coreia do Norte diz que a situação está num "círculo vicioso".
EUA prontos a atacar Coreia do Norte em caso de teste de arma nuclear
Reuters
Paulo Zacarias Gomes 14 de abril de 2017 às 11:44

Os Estados Unidos estão prontos a pôr em prática o que é designado por ataque preventivo com armas convencionais contra Pyongyang caso Washington considere que a Coreia do Norte se prepara para testar armas nucleares.


A notícia é avançada em exclusivo pela NBC News, que cita fontes dos serviços de inteligência norte-americanos, e segue-se ao aviso feito pelo regime liderado por Kim Jong-un de que um "grande acontecimento" deveria ser esperado em breve.


A Marinha norte-americana já colocou em posição dois navios capazes de disparar o mesmo género de mísseis Tomahawk que na semana passada atingiram uma base aérea síria de onde alegadamente tinham levantado voo aparelhos que levaram a cabo um ataque com armamento químico numa aldeia da Síria.


Além da capacidade naval, há também bombardeiros pesados localizados na base de Guam, prontos a levantar para atacar a Coreia do Norte. O porta-aviões USS Carl Vinson também já se encontra mobilizado para apoiar uma eventual intervenção.


Para lá de mísseis e bombas, refere a NBC, o ataque poderá vir a integrar operações informáticas e no solo.


A possível actuação de capacidade militar pesada dos EUA em território norte-coreano surge menos de 24 horas depois de a administração Trump ter desencadeado um bombardeamento no Afeganistão, usando a sua mais potente bomba convencional. Destinada a atacar posições alegadamente detidas pela organização terrorista islâmica Daesh, que operará uma rede de túneis na região, a bomba GBU-43 terá matado 36 combatentes da organização, segundo o governo afegão.


Uma intervenção de Washington em solo norte-coreano poderia desencadear, refere a cadeia de televisão norte-americana, um ataque de Pyongyang à vizinha Coreia do Sul.

A China já avisou entretanto que um conflito na península coreana pode desencadear-se a "todo o momento"depois de Trump ter dito na quinta-feira que a Coreia do Norte é um "problema" que "será tratado".

Em declarações citadas pela Lusa, o ministro dos Negócios Estrangeiros de Pequim, Wang Yi, disse que 
que quem provocar uma guerra na península coreana "deverá assumir as suas responsabilidades históricas e pagar o preço" e que "se houver uma guerra, o resultado será uma situação em que todos perdem e ninguém sairá vencedor".

O vice-ministro dos Negócios Estrangeiros norte-coreano disse na sexta-feira que a situação na península coreana está num "círculo vicioso" e que os comentários "agressivos" do Presidente dos EUA, Donald Trump, no Twitter estão "a causar problemas," avança a mesma agência.



A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
31045@gmail.com Há 1 semana

Já não era sem tempo de se começar a meter os criminosos na linha. Força Trump

Anónimo 14.04.2017

Grande Trump. Mais uns que andaram a brincar com o mundo e agora vão meter a viola no saco. Gostavam era do medroso e fraco Obama e a sua "Estratégia da Paciência". Muita conversa e entretanto iam desenvolvendo armas nucleares. Agora acabou-se. A estratégia agora é : Quem manda é o mais forte.

Anónimo 14.04.2017

O objetivo da eleição do Trump começa a tomar forma: criar condicoes a uma nova guerra.
Neste momento já possuiu 3 possíveis cenários de guerra distintos (Siria, Afeganistão, Coreia do Norte).
Esperemos que não ganhe uma dimensão mundial.

Ladslau Ígor 14.04.2017

Está tudo a postos para a terceira guerra mundial, infelizmente! Vamos todos sofrer com isso, e pagar nos anais da história com essa pouca vergonha!

pub
pub
pub
pub