Política EUA recusam reconhecer resultado da eleição na Venezuela, votação prolongada por uma hora

EUA recusam reconhecer resultado da eleição na Venezuela, votação prolongada por uma hora

A embaixadora dos EUA junto da ONU apelida de "farsa" a eleição para a Assembleia Constituinte que hoje decorre e recusa pactuar com o que diz ser um "governo ilegítimo."
Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters
Paulo Zacarias Gomes 30 de julho de 2017 às 23:03
A embaixadora dos Estados Unidos junto da Organização das Nações Unidas (ONU) considerou este domingo que a eleição para a Assembleia Constituinte é um passo "em direcção à ditadura" e garantiu que os EUA não aceitarão o resultado que vier a sair desse sufrágio. 

"A farsa da eleição [promovida por] Maduro é outro passo na direcção da ditadura. Não aceitaremos um governo ilegítimo. O povo venezuelano e a democracia triunfarão," escreveu Nikki Haley na rede social Twitter. 


Esta é, de acordo com a Reuters, a primeira posição oficial de Washington em relação ao acto eleitoral que decorre este domingo para eleger os 545 membros da Assembleia Constituinte e que ficou marcado por episódios de violência que resultaram na morte de várias pessoas.

As autoridades reconhecem a existência de oito mortes em resultado dos confrontos decorridos ao longo de todo o dia -, particularmente em Caracas onde se ergueram barricadas e foram incendiados objectos nas ruas, além de atiradas pedras e cocktails molotov -, mas a oposição afirma, citada pela Reuters, que o número é de 14 vítimas mortais.

Entretanto, de acordo com o El País, que cita a vice-presidente do Conselho Nacional Eleitoral, Sandra Oblitas, o encerramento das urnas foi adiado por uma hora, das 18:00 para as 19:00 (respectivamente 23:00 e 0:00 em Portugal Continental) dada a existência de "filas" para as mesas de voto.

Os críticos do processo não aceitaram participar na eleição, alegando que esta permitirá a Maduro dissolver o congresso onde a oposição tem maioria e adiar a ocorrência de novas eleições, além de alterar a legislação eleitoral impedindo a saída dos socialistas do poder. A Mesa de Unidad Democrática, coligação oposicionista, estima que a abstenção ronde os 90%.



Maduro convocou a Assembleia Constituinte a 1 de Maio para alterar a Constituição em vigor, nomeadamente nos que diz respeito a garantias de defesa e segurança da nação, entre outros pontos, refere a Lusa. A oposição está a boicotar aquilo que chama de eleição viciada e as manifestações têm degenerado em violência.


Num vídeo partilhado no Twitter, Nicolás Maduro refere-se a este domingo como uma "jornada histórica" e deixando um apelo ao "jovem venezuelano" para ir votar neste "momento histórico em que nasceu o poder constituinte", o "domingo bendito da pátria, o milagre da pátria."



"Foi e é uma jornada de êxito, de grande participação popular. Quem tiver olhos que veja. A oligarquia nunca teve olhos para o povo," afirmou, referindo-se depois às mulheres que os "fascistas queriam impedir de ir votar" mas que mesmo assim conseguiram fazê-lo.

O processo decorre ainda sob as ameaças da aplicação pela administração norte-americana de novas sanções ao regime depois das eleições, num país marcado por uma crise económica que dificulta o acesso a bens alimentares, sob efeito da inflação descontrolada e da queda dos preços do petróleo nos mercados internacionais.

(Notícia actualizada às 23:24 com mais informação)



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 31.07.2017

Não tenho opinião formada sobre o assunto mas tenho muito má impressão das posições dos EUA pelo mundo e leva-me a pensar que minaram todo o caminho ajudado pela baixa do preço do petróleo e que agora querem receber pelo trabalhinho. Uma coisa é certa com Maduro ou sem ele precisam de ajuda externa.

Tentando Perceber 31.07.2017

Espero q estes Imigrantes q lá estão, em Vez de trabalhar,juntar económicas para regressar, andam lá feitos Mercenários,querem a nossa solidariedade para regressar, n venham viciados da vida fácil,e em Vez de Trabalhar passar a vida em desacatos a troco de uns Dólares, que não venham com desacatos,

pub