Conjuntura Eurogrupo avisará Centeno: situação não está boa

Eurogrupo avisará Centeno: situação não está boa

A subida dos juros, os problemas na banca, e políticas como o aumento do salário mínimo estão a preocupar os parceiros europeus, que deverão deixar isso claro a Mário Centeno amanhã na reunião do Eurogrupo, onde o ministro terá explicações a dar.
Eurogrupo avisará Centeno: situação não está boa
Bruno Simão/Negócios
Rui Peres Jorge 25 de janeiro de 2017 às 10:26

Primeiro falará Jeroen Dijsselbloem, o presidente do Eurogrupo, seguem-se Pierre Moscovici, pela Comissão Europeia, Benoit Coeuré pelo BCE, Klaus Regling pelo Mecanismo Europeu de Estabilidade, e finalmente um representante do FMI. Em cima da mesa estará a situação económica e financeira portuguesa, com base na última avaliação pós programa que decorreu no final de 2016, e os temas quentes são, como o Negócios já avançou, a subida de juros dos últimos meses, a situação na banca nacional e a condução de políticas que podem prejudicar a competitividade, como o recente aumento do salário mínimo.

Esta manhã, após uma reunião preparatória do encontro, uma fonte da União Europeia marcou o tom do encontro, em declarações em "off": a situação não está boa, cita a agência Bloomberg, que destaca ainda a preocupação europeia com o sistema bancário português.

A subida de juros de longo prazo da dívida pública nacional de 3,2% em meados de Novembro para os actuais 3,8% a 3,9%, uma das dívidas públicas mais elevadas da Europa em 2016 que continuará pressionada pela recapitalização da CGD em 2017, a incerteza sobre o futuro do Novo Banco e do malparado em Portugal, e opções do governo como o aumento do salário mínimo – que as instituições têm referido como podendo ameaçar a competitividade em Portugal – colocam em causa a solidez da situação económico e financeira nacional.

Mario Centeno, que falará no fim, apresentará a sua perspectiva sobre o que se passa em Portugal, e antecipa-se que sublinhe que fechou 2016 com um défice abaixo da meta de 2,4% do PIB apontada por Bruxelas, o menor de 40 anos. Deverá ainda também sublinhar o maior dinamismo da economia na segunda metade do ano que garantirá um crescimento anual igual ou superior a 1,2% em 2016 – acima dos 0,9% previsto em Novembro por Bruxelas, mas abaixo da média da Zona Euro. Finalmente, poderá assegurar mais uma vez que o Governo está empenhado em garantir a estabilidade do sistema financeiro, procurando a melhor solução para a venda do Novo Banco e procurando estratégias para acelerar a reestrutruação do malparado. 


A sua opinião26
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 26.01.2017

Tudo isto se da' por culpa do Coelho, da Merkel, e agora do Trump!!!!!!

comentários mais recentes
Atentado contra o Pais.O MP na tem nada a dizer? 27.01.2017

E agora oh.."artista" avencado...nao vais pedir desculpa plas aldrabices /vigarices que andas por aqui a escrever as ordens dos teus mandantes?
Nao tens vergonha ou es simplesamente ininputavel?

Oráculo 26.01.2017

O Sr Jornalista é que, abusivamente, escreve um artigo que não é uma notícia mas sim uma opinião em que resolve ser Oráculo de hipotéticas desgraças! A Espanha aumentou o salário mínimo por valores muito mais significativos e não está ameaçada de perda de competitividade! Adivinhos ou bruxos?

luis 26.01.2017

durante 4 anos falaram no deficit, agora que atingimos o objetivo nao interessa. Durante 4 anos chamaram nos perguiçosos o malandros aumentaram impostos, Para depois os gastarmos no BANIF e BES. Agora andam preocupados com um aumento de 20 euros?

Manuel 26.01.2017

Se os politicos fossem sérios na hora de votos explicavam ao povo que dependemos dos credores.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub