Conjuntura Eurostat confirma descida da inflação na Zona Euro

Eurostat confirma descida da inflação na Zona Euro

Portugal registou uma taxa de inflação abaixo da média da Zona Euro.
Eurostat confirma descida da inflação na Zona Euro
Reuters
Nuno Carregueiro 19 de abril de 2017 às 10:11

O índice de preços do consumidor da Zona Euro aumentou 1,5% em Março face ao mesmo mês do ano passado, confirmando uma redução da taxa de inflação face aos 2% registados em Fevereiro, anunciou o Eurostat.

 

Esta evolução saiu em linha com a primeira estimativa revelada pelo gabinete de estatística da Comissão Europeia, que já tinha apontado para uma descida da taxa de inflação para 1,5% no mês passado.

 

Apesar do abrandamento em Março face a Fevereiro, comparando com o período homólogo a taxa de inflação deu um salto significativo (em Março de 2016 situava-se nos 0%), confirmando que estão afastados os receios de deflação na região e que a subida dos preços está cada vez mais em linha com os objectivos do BCE (2%).

 

A desaceleração foi motivada sobretudo pela evolução dos preços da energia, cujo aumento caiu de 9,3% para 7,4%, reflectindo a descida dos preços dos combustíveis. Excluindo o efeito dos preços do petróleo e dos bens alimentares, a inflação "core" desceu para 0,7% (0,9% em Fevereiro).

 

Em Portugal, tal como tinha anunciado já o INE, a inflação também abrandou em Março, para 1,4%, persistindo abaixo da média da Zona Euro. A Roménia (0,3%), Irlanda (0,6%) e a Holanda (0,6%) têm as taxas de inflação mais baixas, enquanto a Letónia (3.3%), Lituânia (3,2%) e a Estónia (3%) têm os valores mais elevados.  

 

A subida recente da inflação, que chegou ao limite que o BCE estabelece para médio prazo como estabilidade dos preços foi usada por muitos para defender uma retirada mais rápida dos estímulos do banco central.

No entanto, a autoridade monetária liderada por Mario Draghi não se mostrou convencida de que a Zona Euro esteja a assistir a uma subida sustentada dos preços, nomeadamente pelo facto de a inflação subjacente se manter baixa. 

 

Apesar do abrandamento no contributo, só os combustíveis pesaram quase 0,5 pontos percentuais na inflação de Março na Zona Euro.

  

(Notícia actualizada às 10:21 com mais informação)


A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 19.04.2017

Só não passa a 1,5% negativo porque os excedentários estão presos pelos cabelos pelas mãos dos sindicatos. Mas já falta pouco... A substituição de factor trabalho por factor capital é um imperativo demasiado importante e benéfico para continuar a ser obstaculizado.

comentários mais recentes
Anónimo 19.04.2017

Só não passa a 1,5% negativo porque os excedentários estão presos pelos cabelos pelas mãos dos sindicatos. Mas já falta pouco... A substituição de factor trabalho por factor capital é um imperativo demasiado importante e benéfico para continuar a ser obstaculizado.

pub
pub
pub
pub