Emprego Eurostat corrige valores do desemprego em Portugal

Eurostat corrige valores do desemprego em Portugal

A taxa de desemprego desceu em Maio para 9,4%, o que corresponde ao nível mais baixo desde 2008.
Eurostat corrige valores do desemprego em Portugal
Paulo Duarte
Nuno Carregueiro 03 de julho de 2017 às 16:01

Tal como o Instituto Nacional de Estatística tinha anunciado, o Eurostat corrigiu os valores da taxa de desemprego de Portugal referentes aos meses de Abril e Maio, que agora coincidem com os reportados anteriormente pelo instituto português.

 

Na nova nota do Eurostat, Portugal surge com uma taxa de desemprego de 9,5% em Abril e de 9,4% em Maio. Na nota publicada esta manhã, o gabinete de estatística europeu colocava Portugal com uma taxa de desemprego de 9,8% em Abril e Maio, que igualava a registada em Março.

 

O Eurostat pede desculpas pelo lapso e diz que a correcção não interfere nos valores globais da taxa de desemprego da Zona Euro e da União Europeia. Contudo, Portugal aparece agora como o sexto país da Zona Euro com a taxa de desempego mais elevada, uma vez que França tem um registo superior (9,6%).

 

Na sexta-feira o INE tinha anunciado uma queda na taxa de desemprego (valores provisórios) de Maio para 9,4%, o que corresponde ao nível mais baixo desde 2008.

 

A taxa de desemprego na Zona Euro estabilizou em Maio nos 9,3%, a que corresponde o registo mais baixo desde 2008. As estimativas do Eurostat apontam para a existência de 19,115 milhões de pessoas desempregadas na União Europeia, sendo que 15,034 milhões estão na Zona Euro.

 

Alemanha (3,9%) e Malta (4,1%) são os países da Zona Euro com a taxa de desemprego mais reduzida, enquanto a Grécia (22,5%) e Espanha (17,7%) registam os valores mais elevados.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub