Angola Ex-administrador da CGD vai gerir holding da petrolífera angolana Sonangol

Ex-administrador da CGD vai gerir holding da petrolífera angolana Sonangol

O ex-presidente da comissão executiva do Banco de Fomento de Angola e ex-administrador da Caixa Geral de Depósitos (CGD) Emídio Pinheiro vai assumir a gestão da Sonangol Holdings e Indústria, como administrador, anunciou hoje a petrolífera angolana.
Ex-administrador da CGD vai gerir holding da petrolífera angolana Sonangol
Simon Dawson/Bloomberg
Lusa 28 de setembro de 2017 às 13:39

A informação consta de um comunicado da Sociedade Nacional de Combustíveis de Angola (Sonangol) enviado à Lusa, dando conta de que a "reestruturação em curso há 17 meses entra agora numa nova fase", com "desafios bem definidos e que exigem, não só o reforço, como também uma maior especialização dos elementos" do conselho de administração da petrolífera estatal.

 

"As áreas críticas para o sucesso do processo de transformação da Sonangol estão claramente identificadas e serão atribuídas a administradores totalmente focados e com um profundo conhecimento dos respectivos dossiês. O alargamento da equipa de gestão, e a especialização da mesma, vai permitir um maior envolvimento diário nas operações e uma intervenção mais célere perante os desafios que se apresentam", refere a petrolífera.

 

Neste contexto, o economista português Emídio Pinheiro, que até Novembro passado integrou o conselho de administração da CGD liderado por António Domingos, assumirá agora funções nas áreas que não são o negócio principal da Sonangol, nomeadamente a gestão da Sonangol Holdings e Indústria, explica a petrolífera liderada por Isabel dos Santos.

 

Antes de sair para a CGD, Emídio Pinheiro liderou durante 11 anos o Banco Fomento Angola, ainda durante a posição maioritária do português BPI no capital social da instituição, que já este ano vendeu 2% à operadora angolana UNITEL, ligada a Isabel dos Santos.

 

Além de Emídio Pinheiro, serão ainda integrados no conselho de administração da Sonangol Ivan Sá de Almeida, para exercer funções nas áreas relativas à produção e exploração, e Susana Almeida Brandão, para coordenar a área jurídica.

 

"O contexto económico em que operamos é complexo e exigente, pelo que precisamos de reforçar a nossa capacidade de adaptação, a agilidade e a proactividade, através de uma maior divisão de pelouros e, assim, de uma maior capacidade de actuação", justifica a Sonangol.

 

A petrolífera explica ainda que os restantes administradores que se mantêm em funções "verão os seus pelouros mantidos ou reajustados em obediência aos princípios de eficiência e racionalidade".

 

A empresária Isabel dos Santos assumiu em Junho de 2016 o cargo de presidente do conselho de administração do grupo Sonangol, nomeada para as funções pelo pai, José Eduardo dos Santos, então chefe de Estado angolano, tendo como missão conduzir a reestruturação da petrolífera, o maior grupo empresarial de Angola.

 

"A empresa estava com os cofres vazios, tínhamos muitas dificuldades e este ano tem sido um ano no fundo de gerir essas dificuldades e conseguirmos passo a passo sobreviver às dificuldades e devagarinho começar a pensar no futuro", disse Isabel dos Santos, na terça-feira, após a cerimónia de investidura de João Lourenço como Presidente de Angola, sucedendo a 38 anos de liderança de José Eduardo dos Santos.

 

A empresária admite que ainda é cedo para se "pensar num futuro brilhante", salientando que continua a decorrer o trabalho para se atingir a estabilidade da empresa e fazer com que as suas necessidades sejam cumpridas.

 

"Temos reduzido custos, temos instaurado um clima de mérito, as pessoas que merecem estão nos bons lugares, elas é que terão os cargos, tentamos mudar alguns critérios de trabalho, dar prioridade realmente ao que é importante. Quando se tem poucos recursos, quando não há muito dinheiro, é importante fazer o melhor possível com o pouco que se tem e é essa a filosofia que se tem estado a aplicar na empresa", salientou.

 




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Zorro 28.09.2017

Como diriam os Franceses, "Les bons esprits se rencontrent"...

comentários mais recentes
Isabel dos Santos, reconhece sempre 30.09.2017

quem em Portugal lhe é fiel. O PR Marcelo, afinal tinha razão. Os aplausos/assobios eram de reconhecimento pelos laços de "sangue" de alguns, para com Angola

hmmmm 28.09.2017

Favores, favorecimento e corrupção.

Zorro 28.09.2017

Como diriam os Franceses, "Les bons esprits se rencontrent"...

Dono dos Burros 28.09.2017

Merecemos as elites que temos. Um Povo assim, nunca devia deixar de andar de quatro.

ver mais comentários
pub