Economia Ex-comandante da Protecção Civil decisivo no relatório da Comissão Independente

Ex-comandante da Protecção Civil decisivo no relatório da Comissão Independente

José Manuel Moura, afastado do comando da Protecção Civil há um ano pelo actual Governo, foi o principal responsável pelas críticas do relatório da Comissão Técnica Independente à actuação da Protecção Civil nos incêndios de Pedrógão, de acordo com a TSF.
Ex-comandante da Protecção Civil decisivo no relatório da Comissão Independente
Cofina Media
Negócios 27 de outubro de 2017 às 09:41

O relatório da Comissão Técnica Independente não deixa margem para dúvidas: a actuação da Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC) nos incêndios de Junho esteve recheada de decisões operacionais questionáveis e uma actuação mais célere poderia ter evitado algumas das consequências catastróficas que se vieram a verificar. Por sua vez, a ANPC criticou algumas das conclusões desta Comissão e, esta sexta-feira, a TSF noticia que a parte de leão das críticas foi escrita pelo comandante nacional afastado no ano passado pelo actual Governo.

 

A estrutura de comando da Protecção Civil acusou o relatório da CTI de conter "erros e omissões" que geram "contradições de referência, confundindo as conclusões a reter", e sublinha que tem como objectivo levar os cidadãos a concluir que "houve inépcia e inoperância do Comando Nacional de Operações de Socorro".

 

Ora, esta manhã, a TSF adianta que a parte essencial das críticas à actuação do comando da ANPC foi escrita pelo responsável por esse mesmo comando, afastado há um ano pelo actual Executivo. José Manuel Moura era um dos 12 técnicos da CTI, tendo sido nomeado para essa estrutura pelo CDS.

 

A emissora confirmou com outro dos peritos da comissão, o professor Paulo Fernandes, da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, que José Manuel Moura foi a pessoa que trabalhou mais a parte do relatório que diz respeito ao combate ao fogo e à resposta da Protecção Civil. Isto por ser "quem estava mais dentro dos procedimentos da ANPC por motivos óbvios", apesar de "terem existido contributos de outros membros da CTI", referiu Paulo Fernandes.

 

Outros dos peritos, entre os quais Sande Silva e Francisco Rego, garantem, contudo, que o trabalho é sólido e que não era possível que os 12 peritos estivessem a fazer todos o mesmo, sublinhando que nenhum capítulo foi assinado individualmente.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
CAIU UMA ARVORE OU FOI......"ABATIDA" de PROPOSIT Há 3 semanas

Agora diz-se q o fogo foi "causado"por uma arvora" q caiu sobre uma linha de alta tensao da EDP".
Afinal a RTP afirma e mostra q a arvore q parece a tal arvore caida...FOI CORTADA plo pe.
Sendo assim a arvore q aparentemente causou o fogo caiu mesmo ou foi CORTADA de maneira a cair sobre os fios?

Anónimo Há 3 semanas

Ex-comandante da Protecção Civil decisivo no relatório da Comissão Independente

PORTUGAL NO SEU MELHOR!

pub