Justiça Ex-líder da CGD com "profunda convicção" de que Vale do Lobo não teve tratamento especial

Ex-líder da CGD com "profunda convicção" de que Vale do Lobo não teve tratamento especial

"Não sei de nenhumas ordens superiores", afirmou Carlos Santos Ferreira no Parlamento, relativamente à operação de financiamento do Vale do Lobo, investigada na Operação Marquês.
Ex-líder da CGD com "profunda convicção" de que Vale do Lobo não teve tratamento especial
Bruno Simão/Negócios
Diogo Cavaleiro 19 de janeiro de 2017 às 22:35

Na comissão parlamentar de inquérito ao banco público, Carlos Santos Ferreira não falou muito sobre Vale do Lobo, o empreendimento turístico onde a Caixa Geral de Depósitos começou por dar um crédito de quase 200 milhões de euros. Contudo, acredita que não houve ilegalidades.

 

"Os critérios para a concessão de crédito são aqueles que referi e que se aplicaram a todos os casos. Tenho essa profunda convicção. A mesma fórmula, o mesmo processo, tudo", declarou Santos Ferreira, que esteve à frente da CGD entre Agosto de 2005 e Dezembro de 2007.

 

O ex-líder da CGD, e que também presidiu ao BCP, recusou a existência de indicações para a aposta naquele empreendimento, actualmente em investigação na Operação Marquês, que tem José Sócrates como principal arguido e onde também tem esta qualidade Armando Vara, vice-presidente de Santos Ferreira tanto no banco público como no banco privado.

"Não sei de nenhumas ordens superiores", frisou o ex-banqueiro nas respostas que deu aos deputados esta quinta-feira, 19 de Janeiro. 

"Pretendia-se atingir um apoio de forma mais transversal à economia, que fugisse do crédito à habitação e à promoção imobiliária", explicou Santos Ferreira relativamente ao racional de investir nesta operação. 

 

Na sua audição, Santos Ferreira escusou-se a entrar em detalhe sobre empréstimos específicos: "Quando se passam mil operações por ano e se quer dar uma resposta numa comissão de inquérito como esta, em que não há opiniões, tenho de responder que tenho dificuldade".

 

"Pretendia-se atingir um apoio de forma mais transversal à economia, que fugisse do crédito à habitação e à promoção imobiliária", explicou Santos Ferreira.

 




A sua opinião12
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Porcos os ladroe, todos a Solta. Há 4 dias

A Justica de ladroes dos Juizes Saloios, e esta porque devidem os roubos e comem todos das comicoes, que estes criminosos dividem pelas Gangs dos Politicos Corruptos. E vai continuar esta sacanice dos roubos. Porca Demokracia cheia de porcos ladroes. E que se dizem Patriotas

Ventura Santos Há 5 dias

Coitado do Santos Ferreira, não lhe contavam nada ! Pois, Vale do Lobo, grande pólo industrial, base da industria pesada portuguesa. Não se lembra de 200 Milhões, até o Buffett se lembra onde gasta 200 Milhões ! Os critérios que se aplicam a todos !? Garantias reais de 10% do valor dos empréstimos !

A podridão Há 5 dias

A corrupção é a pior das ditaduras! E quando eles se põem a justificar a corrupção, torna-se irrespirável!!

Anónimo Há 5 dias

Este homem ainda não está preso porquê?Não é difrente de VARA

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub