Zona Euro Ex-presidente do INE grego condenado por falha de informação

Ex-presidente do INE grego condenado por falha de informação

A condenação - embora com pena suspensa - mostra ter ficado provado que Andreas Georgiou violou os deveres de partilha de informação dentro da autoridade estatística. O ex-responsável foi ilibado de outras duas acusações.
Ex-presidente do INE grego condenado por falha de informação
Paulo Zacarias Gomes 01 de agosto de 2017 às 10:56
O ex-presidente da autoridade estatística grega, em funções antes do resgate da troika, foi considerado culpado de violação dos seus deveres durante a crise de dívida no país.

Andreas Georgiou, antigo líder da Elstat, foi condenado a uma pena suspensa de dois anos depois de ter sido, em Dezembro, ilibado das mesmas acusações por outro tribunal de recurso, avança o Financial Times. Foi então que um procurador, Xeni Dimitriou, decidiu reabrir o caso.

As acusações a Georgiou, consideradas provadas, recaíam sobre a falha em prestar mensalmente informação aos restantes membros da direcção do instituto. Em causa está, segundo o Kathimerini, a decisão de rever em alta o défice de 2009 sem consultar os restantes membros da administração.

As reuniões do organismo foram suspensas depois de a polícia ter detectado que o computadorde Georgiou tinha sido acedido indevidamente pelo vice-presidente da organização e que os seus e-mails tinham sido partilhados com os restantes membros da administração. 

O antigo responsável tem sido investigado por indícios de que terá deliberadamente inflacionado os números do défice de 2009 (de 12,5% do PIB para 15,4% do produto) para que a Grécia fosse forçada a pedir um resgate à União Europeia e ao Fundo Monetário Internacional.

O tribunal deixou cair duas outras acusações, envolvendo o facto de ocupar simultaneamente por quatro meses - de Agosto a Novembro de 2010 - cargos no Fundo Monetário Internacional e de não reunir a direcção da agência estatística com a regularidade necessária.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub