Economia Ex-primeiro-ministro islandês escapa a ser o primeiro político preso devido à crise

Ex-primeiro-ministro islandês escapa a ser o primeiro político preso devido à crise

Inocente: tribunal da Islândia considera que o antigo primeiro-ministro, Geir Haarde, não é culpado da maioria das acusações relativas à crise financeira de 2008, que levou à nacionalização de vários bancos no país. Geir Haarde só foi declarado culpado por não manter os seus ministros informados.
Diogo Cavaleiro 23 de abril de 2012 às 15:18
Geir Haarde não se tornou no primeiro político do mundo a ser preso devido ao seu envolvimento numa das mais recentes crises financeiras do globo. A decisão do tribunal especial criado para julgar membros do Executivo do país europeu foi já anunciada, e divulgada pelas agências de informação internacionais.

O político foi declarado inocente da maior parte das acusações dirigidas a si pelo exercício do cargo de primeiro-ministro islandês. As acusações estavam relacionadas com a crise financeira de 2008. Entre elas, o responsável foi absolvido da acusação de ter agido, de modo negligente, na gestão da crise. Não falhou, também, na fiscalização da estabilidade financeira da Islândia.

Contudo, numa das quatro acusações que pendiam sobre o líder do Executivo, Haarde não foi absolvido, de acordo com a leitura do veredicto do tribunal Landsdómur. O antigo primeiro-ministro islandês não mantinha os seus ministros adequadamente informados de elementos chave da gestão da crise, cita a agência Bloomberg. O responsável não será alvo de qualquer tipo de sanção por esta consideração judicial.

O político de 61 anos considerou que a decisão do tribunal não é justa. “É absurda. É óbvio que a maioria dos juízes se viram pressionados para darem um veredicto de culpado em apenas uma das questões, para salvar o pescoço dos deputados que investigaram isto”, afirmou Haarde, citado pela Reuters.

O Landsdómur, que emitiu a decisão, é um tribunal especial, estabelecido no início do século XX, cuja função é julgar casos em que os envolvidos sejam membros, actuais ou recentes, do Executivo islandês.

O primeiro-ministro que disse que o país podia viver da pesca

A investigação, iniciada em 2010, tinha como um dos principais focos de análise as poucas semanas de 2008 em que os principais bancos evitaram a falência por terem sido ajudados pelo Estado.

No início do julgamento, o antigo primeiro-ministro, actualmente com 61 anos, tinha-se declarado inocente. Haarde sempre afirmou que agiu no melhor interesse da Islândia.

No julgamento, Geir Haarde era acusado, por exemplo, de ter ignorado advertências que assinalavam a proximidade de uma crise no sistema financeiro do país.

Em Outubro de 2008, o Governo viu-se obrigado a nacionalizar os principais bancos da nação insular, de modo a evitar a ruína da banca. A Islândia teve de recorrer a ajuda externa do Fundo Monetário Internacional (FMI) para que não entrasse em incumprimento – um programa que começou a reembolsar, aliás, em Março passado.

Nessa altura, o então primeiro-ministro foi criticado pela declaração pública que fez, em que aconselhou os seus compatriotas a viver da pesca.

“Somos um país demasiado pequeno para sustentar um sistema bancário de tão grande dimensão”, disse Haarde. “Temos fantásticos recursos e uma abundância de energia verde e agora iremos utilizar tudo isso e os restantes recursos de que dispomos – o mar e o capital humano”, acrescentou, então.

A Islândia caiu para a pior recessão económica dos últimos 60 anos depois da nacionalização dos bancos, num momento em que o nível de desemprego disparou para um nível nove vezes superior ao sentido antes da crise.


(Notícia actualizada às 15h40 com mais informações e com novo título; Notícia actualizada pela segunda vez às 15h55)



A sua opinião16
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
sapiele 24.04.2012

Porque razão não os tribunais portugueses não processam os partidos que estiveram a governar Portugal após o 25 de Abril de 1974? Têm medo uns dos outros? Seremos nós um país de bananas, onde tudo pode acontecer desde os ministros que entram no Governo de carteira vazia e algumas dívidas e, pouco tempo depois, são milionários. Quem o disse foi Maria José Morgado em letras garrafais! E como ficamos nós? Vamos admitir enriquecimentos ilícitos? Não há ninguém que controle e instaure processos judiciais? Depois ainda chamam a Portugal país de ladrões, como se ouve dizer em Espanha. Em cada esquina há um ladrão! E os tribunais para que são? O 25 de Abril só serviu para governar alguns, que agora nem querem ir à Assembleia da República. Que gentinha é esta?

Anónimo 24.04.2012

Tanto falaram que na Islândia é que era, lá é que não havia intocáveis! Ora toma lá!Embrulha e vai buscar ! Afinal não estamos assim tão atrasados !

flavito 23.04.2012

Compietamente de acordo consigo. É urgente levar o Coelho a tribunal por ter chumbado o PEC IV e atirado Portugal para o abismo.

Anónimo 23.04.2012


TEMOS DE CONDENAR:

SOCRATES; LOUREIROS (2) DIAS E VALENTIM; SOARES; VARA; COELHO; ..............................Já CHEGA À FAZER LIMPEZA!!!!!!

ver mais comentários
pub